Putin diz que farmácias russas sofrem com falta de alguns remédios

Presidente da Rússia, Vladimir Putin, durante reunião nos arredores de Moscou

(Reuters) - O presidente da Rússia, Vladimir Putin, disse nesta terça-feira que há escassez de alguns medicamentos no país e que os preços subiram, apesar da maior produção de remédios próprios.

Embora os medicamentos prescritos estejam isentos das sanções ocidentais impostas durante a guerra na Ucrânia, sua entrega à Rússia tem sido prejudicada por obstáculos de transporte, seguro e alfandegários causados pela guerra e outras medidas restritivas, segundo dados do setor.

"Tem havido escassez de alguns medicamentos, apesar do fato de termos visto a produção de produtos farmacêuticos nos (primeiros) três trimestres do ano passado crescer cerca de 22%", disse Putin durante uma reunião televisionada com autoridades.

"Sessenta por cento dos medicamentos no mercado são remédios nacionais. Mesmo assim, alguns medicamentos ficaram deficitários e os preços subiram", acrescentou.

Logo depois que a Rússia invadiu a Ucrânia em fevereiro do ano passado, os russos correram para estocar remédios, com as pessoas comprando remédios para um mês em apenas duas semanas.

A Rússia também importa grande parte de seus equipamentos médicos, como marca-passos e aparelhos de radioterapia, da União Europeia e dos Estados Unidos, e sua dependência é particularmente forte para as máquinas mais complexas e críticas.

(Reportagem da Reuters)