Putin diz que manobras dos EUA no Mar Negro são 'provocação'

  • Opa!
    Algo deu errado.
    Tente novamente mais tarde.
·2 min de leitura
O presidente russo, Vladimir Putin (AFP/Mikhail Metzel)
Neste artigo:
  • Opa!
    Algo deu errado.
    Tente novamente mais tarde.

O presidente da Rússia, Vladimir Putin, descreveu nesta segunda-feira (15) como "provocação" as manobras militares realizadas pelos Estados Unidos e pela Otan no Mar Negro, durante uma conversa por telefone com seu homólogo francês, Emmanuel Macron, informou o Kremlin.

Durante o diálogo, Putin se referiu ao "caráter provocativo das manobras em grande escala realizadas pelos Estados Unidos e alguns de seus aliados no Mar Negro, que reforçam as tensões entre a Rússia e a Otan", disse o Kremlin em um comunicado.

O presidente russo parecia estar se referindo à participação de vários navios militares dos EUA em manobras no Mar Negro que Moscou disse na semana passada estar "monitorando" e que Putin chamou de "sério desafio".

Suas declarações ocorrem em um contexto de crescente tensão pelo conflito na Ucrânia, um país banhado pelo Mar Negro.

A situação nesta região é bastante complicada desde que a Rússia anexou a península ucraniana da Crimeia em 2014. Há mais de sete anos, a Ucrânia está em conflito com separatistas pró-russos no leste de seu território.

Os Estados Unidos e a União Europeia expressaram preocupação com o recente envio de tropas russas para a fronteira com a Ucrânia.

Em sua conversa telefônica com Putin nesta segunda, Macron expressou sua "disposição de defender a integridade territorial da Ucrânia", segundo a presidência francesa.

Em Washington, o porta-voz do Pentágono, John Kirby, rejeitou as críticas contra as manobras americanas e garantiu que a atividade militar russa perto da Ucrânia "nos preocupa".

"Todos nossos exercícios são defensivos por natureza e estão no âmbito de nossas alianças na região", declarou Kirby.

Pelo contrário, "não houve nenhuma transparência do lado russo sobre a concentração de forças no oeste de seu país", completou.

Desde a anexação da Crimeia em 2014, o conflito na Ucrânia já deixou mais de 13.000 mortos.

oc-gkg/meb/llu/ic/am

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos