Putin diz que Rússia não é culpada por crise energética da UE

Presidente russo, Vladimir Putin, durante cúpula em Samarkand, no Uzbequistão

SAMARKAND, Uzbequistão (Reuters) - O presidente russo, Vladimir Putin, negou nesta sexta-feira que seu país tenha responsabilidade na crise de energia na Europa e disse que, se os países da União Europeia quiserem mais gás, devem pedir à Ucrânia que abra gasodutos e eliminem as sanções que impedem a abertura do gasoduto Nord Stream 2, no Mar Báltico.

Discursando na cúpula da Organização de Cooperação de Xangai, no Uzbequistão, Putin também culpou o que chamou de "agenda verde" pela crise de energia e insistiu que a Rússia cumprirá suas obrigações energéticas.

A Rússia cortou o fornecimento de gás para a Bulgária e a Polônia porque os dois países se recusaram a pagar em rublos em vez da moeda do contrato. Moscou também fechou o gasoduto Nord Stream 1, que leva gás para a Alemanha e outros clientes europeus, argumentando que as sanções ocidentais estão impedindo reparos vitais.

Os clientes ocidentais rejeitam essa justificativa como um pretexto falso para retaliação econômica contra países que impuseram sanções à Rússia.

(Reportagem de Reuters)