Putin rejeita alegação de Johnson de que uma mulher não teria invadido Ucrânia

Presidente da Rússia, Vladimir Putin, conversa com jornalistas em Ashgabat, no Turcomenistão

LONDRES (Reuters) - O presidente da Rússia, Vladimir Putin, rejeitou nesta quinta-feira a acusação do primeiro-ministro britânico, Boris Johnson, de que, se fosse mulher, não teria invadido a Ucrânia.

Falando em uma entrevista coletiva nas primeiras horas da quinta-feira durante uma visita ao Turcomenistão, Putin apontou a decisão da ex-líder britânica Margaret Thatcher de enviar tropas para as Malvinas como uma refutação da teoria de Johnson.

Johnson classificou na quarta-feira a decisão de Putin de lançar o que Moscou chama de "operação militar especial" contra a Ucrânia de "exemplo perfeito de masculinidade tóxica" e zombou da postura de macho de Putin.

Em resposta, Putin disse a repórteres: "Só quero relembrar os acontecimentos da história recente, quando Margaret Thatcher decidiu lançar operações militares contra a Argentina para as Ilhas Malvinas. Então, uma mulher tomou a decisão de lançar uma ação militar."

"Portanto, não é uma referência totalmente precisa do primeiro-ministro britânico ao que está acontecendo hoje."

O líder russo criticou a decisão britânica, há 40 anos, de responder militarmente à tentativa da Argentina de tomar as ilhas pouco povoadas administradas pelos britânicos no Atlântico Sul.

"Onde estão as Ilhas Malvinas e onde está o Reino Unido?" perguntou Putin. "As ações de Thatcher foram ditadas por nada menos que ambições imperiais e (um desejo de) confirmar seu status imperial."

Moscou repetidamente critica as intervenções militares ocidentais em países da ex-Iugoslávia, Afeganistão e Iraque como exemplos de imperialismo e hipocrisia ocidentais.

Mas durante seu governo de duas décadas, o próprio Putin enfrentou várias acusações de imperialismo, querendo expandir à força as fronteiras russas e a influência da Rússia em todo o antigo espaço soviético.