'Puxadinho' construído para visitas íntimas em presídio no Rio é demolido

·1 minuto de leitura

RIO - Um "puxadinho" construído dentro da Cadeia Pública Jorge Santana, no Complexo de Gericinó, foi demolido nesta quinta-feira. Segundo informações de agentes penitenciários, o local seria usado para que os presos tivessem visitas íntimas. As obras tiveram início na gestão do ex-secretário Raphael Montenegro, preso na última terça-feira por suspeita de fazer acordos com traficantes da maior facção criminosa do Rio em troca de vantagens financeiras ou políticas.

A Cadeia Pública Jorge Santana abriga presos da maior facção criminosa do Rio, a mesma quadrilha que Montenegro é suspeito de beneficiar. A demolição foi determinada pelo govrnador Cláudio Castro e pelo novo secretário de Administração Penitenciária do Rio, delegado federal Victor Poubel, que assumiu o cargo após a exoneração de Montenegro.

Além de determinar a demolição, Poubel abriu sindicância para apurar detalhes da obra, que ocorria de forma irregular. O "puxadinho", que vinha sendo construído desde junho deste ano, tinha dez quartos.

Wilson Camilo, vice-presidente da Associação Nacional de Policiais Penais, afirma que alertou o ex-secretário sobre a obra. Em mensagens no WhatsApp, Montenegro alegou que a construção ocorria com recurso de uma apreensão feita na Cadeia Pública José Frederico Marques, em Benfica. Ele afirmou ainda que havia decisão judicial.

Raphael Montenegro foi preso na última terça-feira em operação da Polícia Federal. Ele é investigado por suspeita de estar recebendo vantagens para beneficiar presos da maior facção criminosa o Rio. O ex-secretário esteve no presídio federal de Catanduvas, no Paraná, em maio deste ano, para entrevistar dez presos do Rio que estão na unidade. Um dos detentos que estiveram com Montenegro foi Marcio dos Santos Nepomuceno, o Marcinho VP, considerado chefão da quadrilha.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos