'Quadrilhas do PIX' têm agido desde o começo do ano; veja como funciona

·1 minuto de leitura
(Foto: Divulgação)
(Foto: Divulgação)
  • "Quadrilha do PIX" tem agido desde o começo do ano

  • Vítimas são sequestradas e obrigadas a fazer um pagamento instantâneo

  • Geralmente, o valor da transação é alto

Desde o começo do ano, quadrilhas especializadas estão sequestrando pessoas e obrigando que elas façam um PIX. As “quadrilhas do PIX” são responsáveis por sequestros-relâmpago, que miram geralmente quem está de carro e que só terminam quando um valor altíssimo é pago aos criminosos por meio do sistema de pagamento instantâneo feito pelo celular.

Leia também:

Na última quarta-feira, quatro homens foram presos depois de sequestrar e aplicar o golpe em um casal, que transferiu R$ 26 mil aos criminosos. Em geral, durante o período em que estão reféns, as vítimas são ameaçadas, têm armas apontadas para suas cabeças e são até agredidas até conseguirem o dinheiro.

As transações podem ser feitas tanto pela vítima como pelo próprio criminoso. Em alguns casos, os bandidos só pedem que o celular seja desbloqueado e fica responsável pela transferência.

Ações do Procon-SP

Em junho, o Procon-SP notificou 10 bancos e três associações financeiras pedindo explicações sobre segurança nos aplicativos devido a transações indevidas feitas por criminosos a partir dos celulares das vítimas. 

Além disso, Motorola, Apple e Samsung também foram notificadas. O objetivo era de que as empresas dessem explicações sobre como funcionam os sistemas de segurança e o acesso a informações disponíveis nos aparelhos, vulneráveis depois roubos furtos e golpes.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos