Quais os melhores e piores sanduíches da Copa do Mundo do McDonald's? O EXTRA provou e checou!

Já virou tradição. Antes da Copa do Mundo, a loja de fast food McDonald’s lança os seus sanduíches homenageando alguns países participantes da competição. Agora, para o Catar, são oito no total. Além do anfitrião, tem Brasil, França, México, Estados Unidos, Argentina, Alemanha e Espanha.

Para tentar encontrar um “campeão mundial” dos sanduíches, o EXTRA provou todos — além do McFlurry, que foi criado especialmente para a Copa do Mundo do Catar — e fez uma avaliação detalhada (o valor do lanche custa a partir de R$ 39,90 ou R$ 34,90 apenas o sanduíche).

Em busca de uma justiça para encontrar o vencedor, que foi o McFrança, foram usados alguns critérios: a expectativa criada pelo sanduíche, o que eles apresentaram de diferente, além, é claro, do sabor de cada um.

O sanduíche do Brasil, o único que pode ser comprado todos os dias — os demais têm datas certas —, terminou na quarta posição. Se a rivalidade do campo for levada para o hambúguer, pelo menos terminou à frente da Argentina.

O McFrança pode se dizer um grande beneficiado pelo calendário. Afinal, a quarta-feira não é um dia tão cedo para ir ao McDonald's e nem tão tarde para precisar guardar dinheiro para o fim de semana. Também é uma boa pedida para ver com o futebol. Dá certo. Pela grife, é um sanduíche que se propõe a ser diferente e consegue: o queijo emental e o molho de queijo brie ditam todo o sabor do hambúrguer. Combinação que deu o primeiro lugar.

Se a conquista da Copa do Mundo está bem longe do famoso “sonho americano”, o hambúrguer de peito de frango empanado com bacon, picles, cheddar e barbecue pode estar bem próximo. Especialistas em “fast-food”, os Estados Unidos entregaram para o povo brasileiro um ótimo sanduíche.

O McAlemanha é mais um sanduíche que se destaca por se propor a ser diferente e conseguir atingir este objetivo. No caso, o salame com borda de pimenta é o grande destaque e combina bem com carne bovina. Também leva o queijo emental que combina bastante com o salame. No contexto geral, não se diferencia muito dos outros, mas consegue brilhar naquilo que é diferente dos demais.

Assim como na maioria dos anos de Copa do Mundo, o McBrasil vem cercado de grande expectativa. Quando atende, é naturalmente o vencedor nestas eleições. Quando não, vira decepção. Mantivemos um meio termo para dizer que não chega a ser um sanduíche ruim, mas prometia mais do que entregou. O grande diferencial, que seria o queijo empanado, pouco se percebe em meio ao hámburguer. E o do Mundial de 2018 dá de goleada no de 2022. Ainda assim, vale a pedida.

Uma coisa é inegável: o McMéxico é diferente. Com uma ardência que não é vista em nenhuma das opções, por conta da maionese de pimenta jalapeño, o hambúrguer é o famoso “8 ou 80”. Se o leitor for fã de comidas apimentadas, vai amar a pedida. Pelo contrário, é melhor evitar o nosso quinto lugar, pois não será uma experiência tão agradável assim.

O McCatar deve ter o mesmo destino do país na próxima Copa do Mundo: chamar a atenção por ser a estreia da competição e ficar na fase de grupos. E lamba os beiços. Não fez por merece posição superior porque não é tão diferente dos demais nos ingredientes. Tenta te convencer de que o molho árabe é suficiente para gastar quase R$ 40, mas não é. Não vale o investimento.

Se dentro de campo, a esperança da maioria dos brasileiros é de que a Argentina não faça jus a grande sequência de jogos invictos e a presença de Messi, e fracasse na Copa do Mundo do Catar, fora deles, o McArgentina não justificou a expectativa criada. Com componentes que facilmente montariam uma boa pedida, o hambúrguer não entrega o esperado com a maionese de Chimichurri e é mais do mesmo.

Embora a copa fatiada gere uma óbvia, mas boa piada com o Mundial do Catar, o McEspanha não brilhou entre os hambúrgueres pela simplicidade além da conta e ocupou a última colocação.

Romário e Bebeto. Xavi e Iniesta. Pelé e Garrincha. McFlurry e calda de banana. De todas as novidades apresentadas pelo McDonald's, esta foi a melhor delas, sem dúvidas. Baunilha e banana combinam de forma tão boa que as caldas de chocolate e morango vão ter que passar a tomar cuidado para o novo sabor não virar fixo. Nas redes sociais, os comentários também são extremamente positivos.