Quais portarias de Bolsonaro nova ministra da Saúde vai revogar?

Nísia Trindade tomou posse nesta segunda-feira (02) e criticou medidas da gestão Bolsonaro na Saúde - Foto: Reprodução
Nísia Trindade tomou posse nesta segunda-feira (02) e criticou medidas da gestão Bolsonaro na Saúde - Foto: Reprodução
  • Ministra da Saúde promete revogar portarias e notas técnicas do governo Bolsonaro;

  • Segundo Nísia Trindade, a medida serve para textos que "ofendem a ciência e os direitos humanos";

  • Ela também apontou algumas de suas pautas prioritárias.

A ministra da Saúde, Nísia Trindade, afirmou que vai revogar, como um dos primeiros atos do novo comando, portarias e notas técnicas do antigo governo Jair Bolsonaro (PL).

Em discurso de posse nessa segunda-feira (2), criticou a transformação do Ministério da Saúde em “uma agenda conservadora e negacionista da ciência” e garantiu que as medidas revogadas serão todas as que “ofendem a ciência, os direitos humanos, os direitos sexuais reprodutivos”.

A ex-presidente da Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz) é a primeira mulher a assumir a pasta e disse que toma o cargo com o sentimento de “urgência”. Ela defendeu uma gestão conjunta da Saúde com os demais ministérios.

“Esta gestão não pode ser exercida de forma isolada, a Saúde precisa estar em todas as políticas. Reforço a necessidade de ações intersetoriais e trabalho colaborativo de toda a equipe nomeada pelo presidente Lula”, disse.

Dentre as pautas prioritárias, está contornar o represamento de exames e cirurgias eletivas. Ela aponta que esta “tem que ser uma agenda do Estado, da sociedade e da academia”. Nísia ainda frisou que “faltam recursos para o SUS cumprir seu papel” e que vai trabalhar pela ampliação do Sistema.

Na sede do ministério, a comandante da pasta prometeu que sua gestão será “pautada pela ciência e pelo diálogo com a comunidade científica” e agradeceu a nomeação.

“O presidente Lula queria uma mulher no comando do ministério, mas queria alguém comprometido com o SUS e mais, queria alguém com sensibilidade para o sofrimento de nosso povo, com disposição para cuidar desse povo, sobretudo, da população mais pobre”, destacou.

Doutora em sociologia, Nísia atua como pesquisadora da Fiocruz desde 1987. A instituição foi fundamental no enfrentamento da pandemia e criou a primeira vacina contra a Covid 100% nacional. Além de incentivar a população a cumprir o esquema vacinal, a ministra sustentou que o país precisa investir na produção local de imunizantes.