'Quando a segurança fala que eu tenho que ir, eu vou', diz Castro sobre uso de carros oficiais e até de helicóptero para ir a Itaipava

Arthur Leal
·3 minuto de leitura

Durante o anúncio de um novo calendário unificado de vacinação, nesta terça-feira, dia 30, no Palácio Guanabara, o governador em exercício, Cláudio Castro, voltou a ser questionado sobre a festa de aniversário que organizou num casarão alugado em Itaipava, Petrópolis, no último domingo, que contou com a presença de parentes e amigos do chefe do executivo estadual, conforme antecipado na coluna de Ancelmo Gois. Perguntado sobre a suposta presença de funcionários do governo pagos com dinheiro público na festa, ele afirmou apenas que não existe e nem nunca existiu escala de trabalho domingo entre os servidores.

— Eu, por exemplo, não me lembro de em nenhum dia ter trabalhado num domingo aqui. Então, não tem escala de domingo para ninguém do Palácio (Guanabara) em dia de domingo. Sobre a questão dos carros (oficiais do governo), tem que perguntar para a minha equipe, porque eu não tomo conta dos carros que andam comigo — afirmou.

Governador se desculpa:

Castro também respondeu sobre relatos de que, em oportunidades anteriores, ele teria ido aos fins de semana para Petrópolis utilizando o helicóptero do governo estadual. O governador em exercício negou ter ido até lá com esta frequência, mas confirmou que já foi ao município da Região Serrana utilizando a aeronave, e, mais uma vez, disse que segue o que determina sua equipe.

— Em primeiro lugar, eu não vou lá toda semana. Em segundo lugar, quem decide como eu vou é a minha equipe de segurança, não eu. Nesta última sexta-feira, por exemplo, eu fui de carro. Mas já fui de helicóptero. Quando a segurança fala que eu tenho que ir, eu vou — disse. Sinceramente, acho que, neste assunto, é importante quando a autoridade tem a humildade de reconhecer quando erra. Já pedi desculpas.

Investigação:

Por fim, Castro disse que estavam na festa pessoas que convivem com ele diariamente, apesar de, nesta segunda-feira, ter admitido que "alguns amigos acabaram aparecendo", e reforçou o pedido de desculpas.

— Sobre esta questão do meu aniversário, e acho que já expliquei: foi uma comemoração que era com a minha família, com meu pai, meu sogro e pessoas que já convivem comigo todo dia. Ontem (segunda-feira) mesmo eu pedi desculpas. Sinceramente, acho que, nesse assunto, é importante quando a autoridade tem a humildade de reconhecer quando erra. Já pedi desculpas — concluiu.

Leia Mais:

De acordo com o telejornal "RJ2", da TV Globo, a festa particular também teve dois funcionários do governo do estado que foram pagos com dinheiro público. Um deles se chama Aguinaldo Ferreira da Costa Júnior, que se apresenta nas redes sociais como cozinheiro no Palácio Guanabara. Ele foi nomeado em 23 de novembro do ano passado como assistente da secretaria estadual da Casa Civil. Já o outro, Breno de Souza Rodrigues, seria funcionário concursado do governo do estado.

Além disso, outros funcionários do estado teriam ido à festa em uma van paga com dinheiro público. O uso do do aparato público pode configurar crime de improbidade administrativa. Castro afirmou que pagou os funcionários do governo com dinheiro próprio. Já sobre a van, o carro estaria sempre a serviço do governador e seria usado como apoio pelos seguranças.

Imagens obtidas pelo telejornal RJ1 mostraram que o almoço reuniu pelo menos 20 pessoas no domingo, muitas sem máscaras. No vídeo, uma funcionária da equipe da cozinha confirma que a casa estava cheia. Outro disse que muitos convidados estavam bêbados.

— Está tudo sem máscara. Minha mulher falou que estão todos bêbados, sem máscara, bebendo. Estão nem aí — contou outro funcionário, sem se identificar.

A atitude do governador continua sendo muito criticada nas redes sociais. Em seu post no twitter desta segunda-feira em que divulga uma pesquisa sobre a evolução do SARS-CoV-2, os usuários da rede cobraram o governador pela festa. ""Moralidade também faz parte da administração pública, deveria investir nisso e não em festinhas, enquanto quase 800 pessoas aguardam uma vaga de CTI" escreveu uma das pessoas.