Quantas vezes é preciso ir ao banheiro por semana para manter o intestino funcionando bem?

Manter o bom funcionamento do intestino é fundamental para a saúde e bem estar. E quando o assunto são as idas ao banheiro para o chamado “número dois”, surge a pergunta: qual seria a frequência ideal? Segundo Ricardo Barbuti, gastroenterologista do Hospital das Clínicas da FMUSP, isso pode variar de pessoa para pessoa:

Especialistas indicam: Três hábitos que ajudam a parar de fumar

Da tapioca à barra de cereal: Oito alimentos substitutos que podem ser vilões da dieta

— Se fala no mínimo em três evacuações completas por semana, ou seja, evacuação satisfatória, embora essa frequência possa variar muito de indivíduo para indivíduo. Não existe uma frequência para todo mundo. Então, um ritmo intestinal adequado é aquele que deixa o paciente satisfeito.

Há uma série de fatores que podem desregular o funcionamento do intestino: constipações orgânicas, funcionais, além de doenças que podem afetar o estímulo do órgão, como hipotireoidismo, diabetes e complicações próprias da musculatura lisa do intestino.

Verdade ou mito: Beber álcool corta o efeito do remédio?

Para Barbuti, a melhor maneira de evitar constipação e regular o intestino é manter um consumo de fibras adequadas (em torno de 30 gramas por dia), beber bastante líquido, fazer exercício com regularidade, nunca reprimir o reflexo evacuatório (ou seja, deixar de ir ao banheiro quando sentir vontade), e tratar as doenças que possam interferir no ritmo intestinal.

Quando devo me preocupar?

De acordo com o gastroenterologista, deve causar preocupação quando existe uma mudança súbita do hábito intestinal:

— Se a gente vai viajar ou muda o hábito alimentar vai impactar no funcionamento do intestino, mas quando isso (mudança) ocorre sem que haja uma causa específica, especialmente em pacientes com mais de 40 ou 45 anos de idade, o paciente deve procurar o médico. Muito provavelmente uma colonoscopia vai ser solicitada. Não ir ao banheiro também deve ser avaliado quando causa desconforto no paciente, como não evacuar há dois dias e se sentir mal — afirma Barbuti, que ressalta:

— Repito, a evacuação precisa ser satisfatória, não só o ritmo como o ato evacuatório em si e tem que ser feito sem nenhum problema, sem nenhum empecilho.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos