Quantas vezes os casais deveriam fazer sexo por semana para a saúde mental e hormonal?

Um controverso especialista em relacionamentos revelou com que frequência os casais devem fazer sexo — e diz que suas estatísticas são comprovadas pela "ciência". Jake Maddock, de Brisbane, na Austrália, diz que você deve ter intimidade com seu parceiro duas a três vezes por semana, porque isso proporciona “benefícios para a saúde mental e física” e “regulação hormonal”.

Costas curvadas, mãos de garra: Cientistas mostram como os humanos poderão parecer no ano 3000, graças à dependência da tecnologia; veja fotos

Justus e Portiolli: os 13 sintomas do câncer de bexiga que acometeu os apresentadores

“Há um monte de ciência por trás disso. Tem sido demonstrado com estudos que é muito bom para as mulheres atingirem o orgasmo três vezes por semana. É bom para a saúde mental, saúde física, e é bom para seus corpos”, disse Maddock em um vídeo do TikTok . Ele afirmou que com o tempo, à medida que os casais se tornam confortáveis ​​um com o outro, eles começam a adquirir hábitos “preguiçosos” por não fazer sexo com tanta frequência. Fazer sexo duas a três vezes por semana também pode ajudar o casal ser mais unido.

Um estudo publicado na revista acadêmica Archives of Sexual Behavior revelou que os casais fazem sexo 51 vezes por ano — cerca de uma vez por semana. A terapeuta de casais e sexóloga Isiah McKimmie disse ao site House of Wellness que o número varia e é baseado na vida e nas circunstâncias das pessoas envolvidas.

"Não há uma quantidade definida de sexo que faça um relacionamento ser ótimo, e é normal que dois parceiros tenham ideias diferentes de quanto sexo eles querem, mas o importante é que os casais trabalhem juntos para encontrar prazer sexual que funcione para ambos", disse McKimmie ao portal.

Jojo Todynho: conheça os riscos da cirurgia bariátrica que será realizada pela cantora

Air fryer: os alimentos preparados dessa forma são realmente mais saudáveis?

Ao portal Daily Mail Online, Maddock disse que "fexting", que são brigas por mensagem de texto, é a "maior nova tendência" deste ano, mas prejudica os relacionamentos e tem impacto na vida sexual de um casal.

“As mensagens de texto são impulsivas e criam falsas impressões sobre questões de irritabilidade do parceiro. Estamos mais propensos a dizer algo que não seríamos corajosos, ou estúpidos, o suficiente para dizer cara a cara”, escreveu em um e-mail ao portal.

Ele admite que escrever pode ser uma ferramenta útil para discussões, pois dá às pessoas a chance de pensar sobre o que querem dizer — mas isso não funciona para mensagens de texto. A comunicação depende de muitos outros fatores como expressão facial, linguagem corporal e tom de voz, bem como as palavras usadas. O significado e as emoções nos textos podem ser muito mal interpretados.

Varíola dos macacos: sociedade de infectologia pede que pessoas com HIV sejam priorizadas na vacinação

Ele explica que em uma discussão cara a cara, você é forçado a ouvir o que a outra pessoa está dizendo, o que significa que você aceita o ponto de vista dela. Maddock acredita que uma "boa discussão" termina em um abraço e, às vezes, até mesmo em momentos de troca de carinho entre as pessoas.

"O contato físico revive a intimidade entre o casal, sem falar no desejo sexual que os une e afasta os sentimentos ruins que estão experimentando por alguma questão na relação", finalizou.