Quantidade de agências bancárias cai 10,8%, mas correspondentes aumentam nos últimos três anos, aponta BC

·1 min de leitura

BRASÍLIA — Apesar de todos os municípios do país ainda contarem com pelo menos um ponto físico de atendimento para serviços financeiros, 17,4 milhões de pessoas não têm acesso a uma agência bancária na sua região. A informação consta no Relatório de Cidade Financeira divulgado nesta quinta-feira pelo Banco Central (BC).

O documento é elaborado a cada três anos e analisa o desenvolvimento da inclusão e educação financeira no país. Os dados do BC mostram uma redução no número de agências bancárias, mas um aumento significativo na quantidade de correspondentes e postos de atendimento no último triênio.

Em 2018, eram 21,2 mil agências bancárias no país, número que caiu para 18,9 mil em 2020, uma queda de 10,7%.

Já o número de correspondentes subiu 11,9%, de 118,4 mil para 210,6 mil em três anos, mesma trajetória dos postos de atendimento, que eram 15,9 mil em 2018 e chegaram a 18 mil no ano passado.

No total, o número de postos de atendimento subiram de 256 mil em 2018 para 276,3 mil em 2020. No ano passado, 408 municípios eram atendidos apenas por correspondentes, como lotéricas e o Banco Postal.

Segundo o relatório, a quantidade de agências bancárias se reduziu em cidades de todos os tamanhos, desde as com menos de 10 mil habitantes, até as metrópoles com mais de 1 milhão de pessoas.

Por outro lado, a substituição desse atendimento vem ocorrendo de forma diferente. Nas cidades menores, com até 50 mil pessoas, são os correspondentes bancários que ganham força, já em municípios maiores, é o número de postos de atendimento que cresce mais.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos