Quantidade de homens fumantes começa a diminuir no mundo

Tabagismo. O cigarro é o principal fator de risco para o câncer de pulmão e pode causar a doença até em não fumantes

SÃO PAULO - A quantidade de homens fumantes no mundo começou a se reduzir em 2019, em vez de aumentar, indica a OMS (Organização Mundial da Saúde). A porcentagem de fumantes no mundo vem se reduzindo consistentemente desde 2020, mas esta foi a primeira vez que o número de homens fumantes se reduziu em termos absolutos, acelerando-se mais rápido que o aumento da população geral.

Os dados estão no novo relatório da OMS que prevê a tendência de prevalência do tabagismo. Apesar de homens e mulheres estarem fumando menos, a estimativa da entidade é que a redução não é forte o suficiente para chegar à meta adotada: reduzir a porcentagem de fumantes dos atuais 22,8% para 19,1% em 2025.

A notícia não é necessariamente ruim. Só a redução de 2018 para a estimativa 2020 indica que o planeta terá 10 milhões de fumantes a menos, sobretudo mulheres.

LEIA TAMBÉM: Restrição de fumar em locais públicos evitou 15 mil mortes de crianças no país, mostra estudo

LEIA TAMBÉM: Brasil registra menor percentual de fumantes em 12 anos

LEIA TAMBÉM: Ministro da Saúde diz ser contra redução de impostos para cigarros, na contramão da pasta de Sergio Moro

"A redução no uso global de tabaco demonstra que quando os governos criam e fortalecem ações abrangentes baseadas em evidências, eles podem proteger o bem estar de seus cidadãos e comunidades", afirmou em comunicado à imprensa o diretor de promoção da saúde da OMS, Ruediger Krech.

Desafios

O relatório da OMS aponta que ainda há muitos desafios a serem superados, contudo. Um dos principais deles é a idade com que fumantes adquirem o hábito. Em 2018 43 milhões de crianças entre 13 e 15 anos usaram tabaco.

A maior parte das boas notícias nos últimos cinco anos vieram da redução do tabagismo em países de média e baixa renda. A Europa continua sendo um enclave rico onde a queda na taxa de fumantes custa a ceder, sobretudo entre as mulheres.

O Sudeste Asiático é a região global que mais preocupa, porém, com uma taxa de fumantes de 45% da população acima de 15 anos.

Na região que compreende as Américas, a maioria dos países, incluindo o Brasil, estão na direção de cumprir a meta estabelecida de redução.

Segundo a OMS, os dois fatores de política pública mais influentes são a taxação do tabaco e as leis de restrição ao fumo.