Quase 300 já foram presos por crimes como lesão corporal, porte de arma branca, desacato; três adolescentes estão na lista

A Polícia Civil do DF informou que o total de prisões em flagrante chegou a 291 pessoas envolvidas no atentado antidemocrático, incluindo três adolescentes. Na lista de crimes autuados estão o porte de armas brancas (como facas e canivetes), furto, lesão corporal, desacato e desobediência, além de dano ao bem público e tentativa de ‘Golpe de Estado’.

Acompanhe: Cerca de 1200 golpistas são detidos em acampamento bolsonarista em Brasília

Determinação do STF: Acampamentos bolsonaristas começam a ser desmobilizados; confira a situação nos estados

A lista total de prisões está sendo revista a todo instante, tendo em vista as mais de 1.200 pessoas detidas esta manhã e encaminhados para triagem policial. Os terroristas com prisão decretada estão sendo encaminhados para o Complexo Penitenciário da Papuda e para a Penitenciária Feminina do Distrito Federal.

Em nota, a Polícia Civil diz que os adolescentes infratores foram apresentados às delegacias da Criança e do Adolescente (DCA) e, na sequência, conduzidos ao Núcleo de Atendimento Integrado (NAI), unidade específica para os menores presos em flagrante. A Justiça ainda pode decidir pela internação dos adolescentes, a depender da gravidade dos atos infracionais.

Quem são os envolvidos: Felipe Neto, André Janones e perfil com mais de 600 mil seguidores no Instagram ajudam a identificar terroristas

Próximo passo

A partir desta segunda-feira o Núcleo de Audiência de Custódia (NAC), do Tribunal de Justiça do DF, passa a receber todos os presos adultos. Ainda no domingo à noite, a juíza Leila Cury, atuando na Vara de Execuções Penais, havia autorizado a transferência dos detidos para os presídios, sem audiência de custódia.

Quem é quem nos atos criminosos: Como os terroristas que invadiram Planalto, STF e Congresso serão identificados pela PF

“Todos estão passando por exame de corpo de delito no IML/PCDF e sendo identificados e ouvidos nos autos do inquérito que investiga os atos criminosos ocorridos na Esplanada dos Ministérios (...) As investigações seguem até que o último integrante seja identificado”, diz a PCDF.