Quase 90 jornalistas foram assassinados no mundo em 2022

Em 2022, o mundo registrou 86 assassinatos de jornalistas frente a 55 casos em 2021, informou a Organização das Nações Unidas para a Educação, a Ciência e a Cultura (Unesco) nesta segunda-feira (16). A entidade alerta que mais da metade das mortes aconteceram na América Latina e no Caribe.

"Após vários anos seguidos de diminuição, o grande aumento de número de jornalistas assassinados em 2022 é alarmante", alertou a diretora-geral da Unesco, Audrey Azoulay.

Em média, o número caiu para 58 entre 2019 e 2021, em relação aos 99 trabalhadores de meios de comunicação assassinados em 2018, recorda a Unesco.

Das 86 mortes em 2022, 44 ocorreram na região da América Latina e do Caribe, com México (19) e Haiti (9) com mais homicídios. No total, houve 16 incidentes na Ásia e no Pacífico e 11 no leste da Europa.

Em seu comunicado, a organização com sede em Paris adverte que "aproximadamente metade" dos jornalistas assassinados não estava trabalhando no momento do ataque.

"A tendência dos últimos anos permanece, o que indica que não existem espaços seguros para os jornalistas, nem mesmo durante seu tempo livre", destaca Azoulay.

A Unesco especifica que os profissionais foram executados por noticiar sobre o crime organizado, a ascensão do extremismo, corrupção, os crimes contra o meio ambiente e alguns outros assuntos.

A quantidade de jornalistas assassinados em países em conflito também aumentou em 2022, de 20 para 23 em um ano. No ano passado, dez foram mortos na Ucrânia, onde a Rússia lançou uma ofensiva em fevereiro.

Cerca de 86% dos homicídios de comunicadores continuam impunes, reforça a organização, além de pontuar outras formas de "violência", como estupros, desaparecimentos forçados e violência digital.

tjc/zm/ms/jc