Quase metade dos brasileiros culpam Bolsonaro por gasolina cara

  • Opa!
    Algo deu errado.
    Tente novamente mais tarde.
Neste artigo:
  • Opa!
    Algo deu errado.
    Tente novamente mais tarde.
Para 45% dos entrevistados, Jair Bolsonaro é o principal culpado pelo aumento do preço da gasolina (Foto: REUTERS/Adriano Machado)
Para 45% dos entrevistados, Jair Bolsonaro é o principal culpado pelo aumento do preço da gasolina (Foto: REUTERS/Adriano Machado)

Resumo da notícia

  • Quase metade dos brasileiros entende que Bolsonaro é o maior culpado pelo aumento do preço dos combustíveis

  • 64% entendem que Petrobras é a principal culpada

  • 48% dos entrevistados são contra a privatização da empresa

Para 45% dos brasileiros, o presidente Jair Bolsonaro (PL) tem muita responsabilidade pelo aumento do preço dos combustíveis no país. Porém, a maior culpada, para 64% dos eleitores, é a própria Petrobras. É o que mostra o levantamento do Ipespe, divulgado nesta sexta-feira (20).

A pesquisa questionou os participantes: pensando agora sobre o aumento dos combustíveis, o quanto acha que cada um dos citados teve responsabilidade sobre esse aumento? Dessa forma, os entrevistados poderiam dar mais de uma resposta.

A Petrobras é a maior culpada para 64% dos brasileiros; outros 24% acreditam que a empresa tem um pouco de responsabilidade. Apenas 7% acham que a culpa não é da Petrobras.

Em seguida, o maior culpado é Jair Bolsonaro, segundo os participantes da pesquisa: 45% veem o presidente com muita responsabilidade e outros 25% acreditam que Bolsonaro tem um pouco de responsabilidade; 24% veem o presidente sem qualquer culpa pelos preços.

Para 40% dos participantes, governadores têm ampla responsabilidade e o mesmo índice entende que a grande causa do aumento dos combustíveis é a guerra na Ucrânia. Ainda há 37% que veem os governos de Lula e Dilma como grandes responsáveis e 32% veem o STF como maior culpado.

Privatização da Petrobras

O levantamento questionou também os eleitores sobre a privatização da Petrobras, promessa do novo ministro de Minas e Energia, Adolfo Sachsida. A maioria é contrária à medida.

  • A favor: 38%

  • Contra: 49%

  • Não sabe/não respondeu: 13%

Para 44% dos participantes, caso a Petrobras seja privatizada, os preços dos combustíveis tendem a aumentar; 26% acham que os valores continuarão os mesmos e 19% acham que os valores vão diminuir, enquanto 11% não souberam ou não responderam.

A pesquisa foi feita com 1.000 eleitores, por meio de ligações telefônicas, entre os dias 16 e 18 de maio e a margem de erro é de 3,2 pontos percentuais.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos