Que tipo de rei Charles será?

Charles
Charles

Charles, o herdeiro mais antigo do trono na história britânica, agora é rei. Seu aprendizado como herdeiro, com duração de 70 anos, fez dele o novo monarca mais bem preparado e mais velho a assumir o trono.

O rei de 73 anos esteve lá durante o longo reinado de sua mãe, testemunhando gerações de líderes mundiais indo e vindo, incluindo 15 primeiros-ministros do Reino Unido e 14 presidentes dos Estados Unidos.

Após o notável e marcante reinado da rainha Elizabeth 2ª, que tipo de rei podemos esperar? E como um príncipe acostumado a comentar diversos assuntos se adaptará à neutralidade de um monarca?

Como rei, Charles não terá mais seu próprio passaporte ou carteira de motorista - nem poderá dar opiniões fortes em público. Ser um monarca substitui o indivíduo.

É um caso de papéis diferentes, regras diferentes, segundo análise do principal especialista constitucional, o professor Vernon Bogdanor.

"Ele sabe desde os primeiros dias que seu estilo terá que mudar. O público não vai querer um monarca em campanha", diz o professor Bogdanor.

O rei Charles está bem ciente da necessidade de ser menos franco. "Não sou tão estúpido. Percebo que ser soberano é um exercício separado", disse ele em uma entrevista à BBC em 2018. "A ideia de que de alguma forma vou continuar exatamente da mesma maneira é um completo absurdo."

Quando um novo monarca assume o trono, o perfil real nas moedas é mudado para a direção oposta. O reinado de Charles também terá um foco diferente.

O país sobre o qual reinará é muito mais diversificado do que o herdado por sua mãe, e o professor Bogdanor antecipa que o novo rei alcançará uma Grã-Bretanha multicultural e multi-religiosa.

Ele espera que ele tente agir como uma força unificadora, fazendo esforços mais visíveis para se conectar com minorias étnicas e grupos desfavorecidos.

Em uma bicicleta com membros do British Asian Trust enquanto eles iniciam um passeio patrocinado na Highgrove House em Tetbury, Gloucestershire - junho de 2021
Em uma bicicleta com membros do British Asian Trust enquanto eles iniciam um passeio patrocinado na Highgrove House em Tetbury, Gloucestershire - junho de 2021

O professor Bogdanor também prevê um maior patrocínio real às artes, música e cultura - mais Shakespeare e menos corridas de cavalos.

Mas Sir Lloyd Dorfman, que trabalhou com o rei Charles por muitos anos em sua instituição de caridade Prince's Trust, não prevê uma interrupção completa de seu envolvimento com questões como mudanças climáticas e agricultura orgânica.

"Ele é muito experiente, muito eficaz. É difícil imaginar que ele desistirá disso no dia em que se tornar soberano", sugere Sir Lloyd.

Há muitas especulações sobre o rei preferir uma monarquia "enxuta". É provável que signifique uma ênfase maior em um grupo menor de membros da realeza que trabalham, com Charles e Camilla, o príncipe William e Catherine no centro.

Apesar disso, a mensagem principal do novo reinado será a continuidade e a estabilidade, diz a comentarista real Victoria Murphy.

"Não espere grandes diferenças. Ele será muito cuidadoso", afirma ela.

"Tendíamos a pensar na rainha como uma constante na vida nacional, mas, além dela, ele está lá há mais tempo do que qualquer pessoa na vida pública, mais do que qualquer político", diz o comentarista e escritor real Robert Hardman.

Parte da Família Real na varanda do Palácio de Buckingham, em junho de 2022
Parte da Família Real na varanda do Palácio de Buckingham, em junho de 2022

O historiador e autor Sir Anthony Seldon acredita que o rei Charles foi fortalecido ao provar que estava certo sobre questões como alertas sobre as mudanças climáticas. Deixando de ser ridicularizado, ele agora tem uma "aura de Attenborough", diz Sir Anthony.

Na cúpula das mudanças climáticas em Glasgow em 2021, por exemplo, Charles foi levado a sério por figuras como o presidente dos EUA, Joe Biden, segundo Hardman, que diz que seu status no cenário mundial o servirá bem como rei.

"Não eram apenas banalidades. Os dois se sentaram juntos em um canto e Biden estava dizendo: 'Você conseguiu tudo isso'", diz ele.

Aqueles que o conheceram dizem que no fundo ele é uma pessoa bastante tímida e reservada. Uma "alma sensível", diz uma das descrições.

Fotografia oficial para marcar o aniversário de 18 anos do príncipe
Fotografia oficial para marcar o aniversário de 18 anos do príncipe

Há um traço do menino solitário que se queixava de ser intimidado e isolado na escola. "Eles jogam chinelos a noite toda, me batem com travesseiros ou correm pela sala e me batem o mais forte que podem", escreveu ele em uma carta para casa sobre ser atormentado no dormitório da escola.

Sua esposa Camilla, agora rainha consorte, o descreveu como "muito impaciente. Ele quer que as coisas sejam feitas até ontem. E é assim que ele faz as coisas".

Ela afirmou em uma entrevista na TV para o aniversário de 70 anos de Charles que abaixo do personagem bastante sério que as pessoas veem em público, havia um lado mais brincalhão nele.

"Eles o veem como uma pessoa muito séria, o que ele é. Mas eu gostaria que as pessoas vissem o lado mais leve dele. Ele se ajoelha e brinca com as crianças, lendo Harry Potter para elas e fazendo as vozes." disse Camila.

Charles com seu neto, o príncipe Louis, durante o Jubileu de Platina em junho de 2022
Charles com seu neto, o príncipe Louis, durante o Jubileu de Platina em junho de 2022
Charles e Camilla rindo durante o Braemar Highland Gathering em 3 de setembro de 2022
Charles e Camilla rindo durante o Braemar Highland Gathering em 3 de setembro de 2022

Charles tornou-se uma figura relaxada e acessível quando está se encontrando com o público, fazendo com que seus súditos se aproximem com algumas piadas autodepreciativas. Talvez isso mude como monarca, mas como príncipe de Gales ele desenvolveu um estilo afável e de avô, sem distanciamento.

Para um homem de 70 anos, o rei não mostra sinais de desaceleração.

Chris Pope, que trabalhou com o rei Charles no Prince's Teaching Institute, o descreve como uma figura implacavelmente ocupada e motivada, um "pacote de energia" que assume uma enorme carga de trabalho.

"Ele é genuinamente apaixonado pelo bem-estar da próxima geração. Você verá isso em muito do trabalho que ele faz", diz Pope.

O trabalho de caridade do príncipe inclui a proteção do patrimônio e a preservação das habilidades artesanais tradicionais - mas, ao mesmo tempo, incentiva a inovação e a mudança.

"Ele está sempre preocupado que as tradições não sejam perdidas, mas isso não é a mesma coisa que dizer que temos que voltar no tempo", diz Pope.

O personagem do novo rei parece reunir esses temas, que podem ser vistos como contraditórios, que andam em direções diferentes, de querer mudar enquanto se quer conservar.

Charles Nn Shipton Mill em Gloucestershire, que detém a HRH Royal Warrant e é especializada em moagem tradicional, julho de 2020
Na Shipton Mill em Gloucestershire, que detém a HRH Royal Warrant e é especializada em moagem tradicional, julho de 2020
Charles discursa em evento de Ação sobre Florestas e Uso da Terra no terceiro dia da Conferência do Clima COP26 em Glasgow, novembro de 2021
Charles discursa em evento de Ação Sobre Florestas e Uso da Terra no terceiro dia da Conferência do Clima COP26 em Glasgow, novembro de 2021

Ele às vezes parece um proprietário de terras de bochechas vermelhas que deixou uma pintura do século 18. Outras vezes, ele soa como um reformista frustrado, irritado com a forma como algumas comunidades foram negligenciadas e deixadas para trás.

Muito será feito em relação à herança de um senso de dever de sua mãe, mas o rei Charles também herdou sua fé religiosa e seu forte senso de humor.

Hitan Mehta trabalhou com ele ajudando-o a criar o British Asian Trust em 2007.

"Ele é um humanitário de coração. Acho que as pessoas subestimam o quanto ele se importa. Ele sempre fala sobre o mundo que vai deixar para seus netos. Ele se preocupa com isso", diz Mehta.

Isso se manifesta, muitas vezes, em chamados diretos para agir. "Devem ser nove horas da noite de sexta-feira e recebo um telefonema dele dizendo: 'Acabei de saber das enchentes no Paquistão. O que estamos fazendo?' Não é como se ele não fosse uma pessoa ocupada. Mas ele ouviu falar do problema e está envolvido com ele. Ele realmente se importa", diz Mehta.

"Este é um homem que janta ridiculamente tarde da noite e depois vai para sua mesa e adormece em suas anotações", disse o príncipe Harry sobre seu pai.

Charles quando era pequeno acompanhado de parte da família
Charles nasceu no Palácio de Buckingham em 1948

Charles Philip Arthur George nasceu no Palácio de Buckingham em 14 de novembro de 1948. Quando a BBC anunciou seu nascimento, não foi com a notícia de que a rainha teve um menino, mas que sua mãe havia sido "parido um príncipe com segurança". Quatro anos depois, ele apareceu em público.

"Encontro-me nesta posição em particular. Estou determinado a tirar o máximo proveito dela. E fazer o que puder para ajudar", disse Charles em uma entrevista de 2005.

Ele foi patrono ou presidente de mais de 400 organizações e, em 1976, fundou sua própria instituição de caridade, a Prince's Trust, usando sua indenização da Marinha Real.

A instituição ajudou quase 900 mil jovens desfavorecidos de algumas das partes mais pobres do país e deu ao novo rei uma visão sobre uma série de problemas sociais.

Seus planos para que o Prince's Trust se conectasse com o que ele chamava de "mais difícil de alcançar na sociedade" nem sempre deram certo.

"O Ministério do Interior não achou que fosse uma boa ideia. Foi muito difícil tirá-lo do papel", disse ele em entrevista à BBC em 2018.

Seu trabalho atraiu acusações de interferência política e acusações de intromissão, principalmente em torno dos chamados "black spider memos", ou, em português, "memorandos da aranha negra", cartas particulares de Charles para ministros do governo de 2004 em diante.

As cartas questionavam a abordagem do governo em questões como agricultura, planejamento urbano, arquitetura, educação e até mesmo a proteção de peixes da Patagônia.

Charles, conhecido por suas opiniões públicas sobre arquitetura, em seu desenvolvimento na vila de Poundbury, Dorset 1999
Charles, conhecido por suas opiniões públicas sobre arquitetura, em seu desenvolvimento na vila de Poundbury, Dorset 1999

Um ex-ministro do gabinete que recebeu o lobby de Charles disse que não se sentia sob grande pressão, mas sua memória do novo rei é de alguém com opiniões fixas. Ele o via chegando com pontos de vista pré-estabelecidos que ele queria perseguir, em vez de querer se envolver com argumentos opostos.

"Eu não me sentia derrotado. Ele fazia suas intervenções e você recebia cartas. Ele não afirmava, não pressionava, não era descortês", diz ele.

Refletindo sobre as alegações de interferência, em uma entrevista de 2006, Charles disse: "Se isso é intromissão, estou muito orgulhoso disso". Mas ele reconheceu que estava em "uma situação sem saída".

"Se você não fizer absolutamente nada, eles vão reclamar disso. Se você fizer algo para ajudar, eles também vão reclamar", disse ele.

Em uma entrevista posterior, ele disse que evitou a política partidária, mas se sentiu compelido a falar sobre questões como "as condições em que as pessoas viviam".

O ex-ministro do Trabalho, Chris Mullin, descreveu em seus diários um resumo com Charles e como ficou surpreso com seu foco obstinado e sua prontidão para arriscar "pisar nos pés oficiais".

"Ele volta ao mesmo ponto. Como alargar os horizontes dos jovens, especialmente os insatisfeitos, os azarados. Confesso que estou impressionado. Este é um homem que, se quisesse, poderia desperdiçar sua vida sobre a ociosidade e a autoindulgência."

Quanto apoio público terá o rei Charles quando seu reinado começar?

"Algo tão curioso quanto a monarquia não sobreviverá a menos que você leve em conta as atitudes das pessoas. Afinal, se as pessoas não quiserem, não terão", disse Charles.

De acordo com uma pesquisa realizada pelo YouGov em dezembro de 2021, ele vem crescendo em popularidade, com quase dois terços das pessoas o vendo de forma positiva.

Mas as pesquisas de opinião consistentemente mostraram que ele é menos popular do que sua mãe, a rainha Elizabeth II, ou seu filho, o príncipe William, então há uma proporção considerável do público ainda a ser conquistada. Sua popularidade é particularmente menor entre os mais jovens.

Victoria Murphy diz que isso pode ser reflexo forma antipática como Charles foi retratado em programas de TV e filmes sobre seu relacionamento com sua primeira esposa, Diana, princesa de Gales, que morreu em um acidente de carro em agosto de 1997.

Estes podem ser uma mistura de fato e ficção, mas têm grande influência na opinião pública.

"O que tem sido realmente interessante nos últimos anos foi o quão grande Diana continua aparecendo como uma narrativa em torno da família real", diz Murphy.

À medida que Charles se aproximava do trono, houve uma tentativa de mudar a percepção do público, diz a professora Pauline Maclaran, do Centro para o Estudo da Monarquia Moderna da Royal Holloway, da Universidade de Londres.

Das sátiras anteriores dele em programas de comédia como Spitting Image, ele foi gradualmente reposicionado como uma figura mais digna, um "sábio" com coisas sérias a dizer sobre o meio ambiente, diz o professor Maclaran.

Os interesses do público podem nem sempre ser tão nobres. E como chefe da família real, ele terá que lidar com o intenso apetite global por histórias sobre o príncipe Harry e Meghan, a duquesa de Sussex, e seu relacionamento com a família real.

O príncipe visivelmente chateado com o funeral de seu pai, o príncipe Philip, em 2021
O príncipe ficou visivelmente chateado com o funeral de seu pai, o príncipe Philip, em 2021

Onde as histórias da realeza começam a se sobrepor à novela da vida das celebridades não é seu território natural.

O rei Charles enfrenta outras decisões familiares difíceis, como o futuro papel do príncipe Andrew, ou a falta dele, após o acordo que se seguiu às alegações de agressão sexual de Virginia Giuffre.

Fora do Reino Unido, um grande desafio será redefinir uma relação mais moderna com a Commonwealth (Comunidade Britânica das Nações). Como seu novo chefe, como suas visitas aos países da Commonwealth podem navegar pelos difíceis legados do colonialismo e questões como a escravidão?

O rei Charles se tornou chefe de estado de 14 países, além do Reino Unido. Alguns deles podem querer se tornar repúblicas, permanecendo como membros da Commonwealth, e o rei Charles já deixou claro que está pronto para conversas adultas sobre mudanças.

Houve decisões já tomadas que suavizaram o caminho de seu novo reinado. Ele deve ter ficado encantado quando sua mãe interveio para dizer que Camilla deveria usar o título de rainha consorte, em vez de princesa.

Camilla será um apoio vital, pois ele começa um dos cargos de maior destaque do mundo em uma idade em que a maioria das pessoas teria se aposentado.

Este momento, em toda a sua assustadora solenidade, estava esperando por ele toda a sua vida.

Para o rei Charles, a hora chegou.