Quebra de safra reduz movimentação de produtos da Cargill no Brasil em 2016

Logo da Cargill em unidade da companhia em Lucens, na Suíça 22/09/2016 REUTERS/Denis Balibouse

SÃO PAULO (Reuters) - A norte-americana Cargill, gigante do agronegócio, reduziu o volume de produtos movimentados no Brasil em 2016, mas conseguiu elevar o lucro na operação local em 61 por cento, favorecida por uma melhora em seu desempenho financeiro.

A Cargill originou, processou e comercializou 24 milhões de toneladas de produtos em 2016, incluindo granéis agrícolas e processados, queda ante 28 milhões em 2015, segundo balanço divulgado nesta quarta-feira.

Além de uma das maiores exportadoras de grãos do país, a Cargill também opera diversas fábricas que produzem óleos vegetais e amidos industriais, por exemplo.

"A quebra na safra das principais commodities comercializadas pela Cargill, sendo soja e milho, principalmente, levaram à queda na movimentação de grãos em 2016", disse a empresa em nota à Reuters.

Agricultores do Brasil tiveram as expectativas de colheita frustradas no ano passado, quando chuvas irregulares levaram a uma safra de soja menor que o esperado e a uma forte quebra nas produtividades da segunda colheita de milho.

Grandes tradings de commodities agrícolas têm, historicamente, maior giro e melhores condições de obter lucro em anos de safras abundantes. Apesar da adversidade com a colheita no ano passado, a Cargill registrou lucro líquido consolidado de 670 milhões de reais no país, ante 416 milhões em 2015, segundo o relatório.

"O impacto da redução do volume comercializado, no lucro da empresa, foi compensado por uma maior eficiência no mix de produtos e posições financeiras assertivas da empresa", disse a companhia.

Ao contrário de 2015, quando a empresa teve prejuízo com a variação cambial, em 2016 o resultado deste tipo de operação foi positivo em cerca de 600 milhões de reais.

Em termos de receita líquida, a Cargill no Brasil teve um pequeno avanço, de 0,7 por cento, somando 32,31 bilhões de reais em 2016.

LOGÍSTICA

A empresa destacou também que está em fase de conclusão das obras de ampliação do terminal exportador de grão de Santarém, às margens do rio Amazonas, no Pará, onde pretende ampliar a capacidade para 5 milhões de toneladas anuais, ante 2 milhões anteriormente.

"Os investimentos na área de logística avançaram durante o ano. Para a companhia, a região Norte é fundamental no escoamento da produção graneleira", disse a empresa no comunicado.

O investimento na expansão de Santarém é de 240 milhões de reais.

A Cargill disse que boa parte desse volume adicional de grãos chegará a Santarém por meio barcaças carregadas no terminal de transbordo de Miritituba/Itaituba, na beira do rio Tapajós. "O novo terminal de transbordo rodo-fluvial... está sendo finalizado", destacou a empresa.

Os terminais que operam na região de Miritituba são abastecidos por caminhões graneleiros vindos de Mato Grosso pela BR-163, que corta o Pará de sul a norte. A rodovia foi foco de problema para as tradings no início deste ano quando fortes chuvas provocaram atoleiros nos trechos não asfaltados, interrompendo por dias o fluxo de grãos e causando prejuízos milionários às empresas.

(Por Gustavo Bonato)