Queda de audiência do horário eleitoral levanta discussão sobre fim dos blocos de propaganda na TV

Sérgio Roxo
·2 minuto de leitura

SÃO PAULO — A audiência do horário eleitoral está menor este ano do que em 2016. De acordo com dados do Kantar Ibope Media, o percentual de domicílios sintonizados caiu 16% nas três primeiras semanas semanas. A queda levanta uma discussão sobre a reformulação do formato com a defesa, inclusive por parte de profissionais do marketing político, do fim dos blocos de propaganda.

O levantamento do Ibope considerou média de audiência dos blocos de propaganda do início da tarde e da noite entre 9 a 29 de outubro em comparação com 26 de agosto e 15 de setembro de 2016 nas 15 principais regiões metropolitanas do país. A eleição municipal anterior foi realizada em outubro. O percentual de domicílios que assistiam a propaganda passou de 39,48% para 33%. O Ibope ressalta que mudança de data da eleição deve ser considerada para a análise da variação de audiência.

Responsável pela comunicação de campanhas ao governo da Bahia de Jaques Wagner (PT) e Rui Costa (PT), Sidônio Palmeira entende que os blocos de propaganda deveriam acabar e a propaganda eleitoral deveria se dar apenas nas inserções, que possuem muito mais efetividade.

— Defendo que acabem os programas, que são os que tem mais gasto e menor audiência. O retorno disso é muito pequeno pro gasto que se tem. O certo seria mater só as inserções.

Para Palmeira, os gastos com comunicação poderiam ser reduzidos em, pelo menos, 50% sem os blocos de programa.

— Não conheço outro lugar do mundo que tem esse horário eleitoral gratuito (com blocos de propaganda). Em vez de ajudar, termina distanciando até o político porque fica uma coisa chata.

Cientista político e professor da Universidade Federal do Paraná, Sérgio Braga concorda com Sidônio.

— Teria que ter um formato mais dinâmico e compatível com os novos tempos. Precisava ser menos estático. As inserções tem um impacto muito maior. Essa coisa de enfileirar os partidos todos ao mesmo tempo acho que traz para o eleitor dificuldade de saber quem está falando.