Queda de renda aumenta procura por imóvel de quarto e sala

Segundo pesquisa, a queda na renda aumentou a procura por imóveis de quarto e sala. Foto: Getty Images.
Segundo pesquisa, a queda na renda aumentou a procura por imóveis de quarto e sala. Foto: Getty Images.
  • Pesquisa da Cbic mostra que a procura por apartamentos de quarto e sala cresceram 30% no 1° trimestre de 2022;

  • Tendência cresce com a diminuição de renda da população e com o alto custo dos imóveis;

  • Empresários do ramo imobiliário estão atentos ao aumento de interesse pelos apartamentos compactos.

Pesquisa da Câmara Brasileira da Indústria da Construção (Cbic) mostra que a procura por apartamentos compostos de quarto e sala tem crescido no Brasil em 2022.

Apenas no primeiro trimestre deste ano, o aumento das buscas por espaços compactos foi de 30%, em comparação ao mesmo período de 2021. O alto custo das moradias é o principal motivo pelo impulsionamento da tendência.

Leia também:

Nesse contexto, as construtoras veem o salto do número de vendas de imóveis de quarto e sala como oportunidade.

Foi o que aconteceu com a Avanço Realizações Imobiliárias com a criação do residencial Now Irajá, no Rio de Janeiro, que conta com 78 unidades de um, dois e três quartos. No seu lançamento, em 2018, os apartamentos com um dormitório custavam cerca de R$ 250 mil.

"A liquidez desses imóveis foi incrível, e um dos motivos é a falta de novos empreendimentos no bairro com unidades menores. Antes de lançar um projeto, fazemos pesquisa nas regiões para entender quais são as necessidades e preferências dos clientes locais", afirma o gerente comercial da empresa, Júlio Borges.

Para ele, havia uma demanda reprimida nessa região do Rio para esses espaços compactos, que, geralmente, são buscados por pessoas solteiras, divorciadas ou recém-casadas sem filhos, e tem recursos financeiros insuficientes para alugar ou comprar um imóvel maior.

São Paulo também tem visto um crescimento similar com os apartamentos compactos, principalmente em bairros nobres da cidade. De acordo com o Estado de S. Paulo, o município ganhou 250 mil microapartamentos entre 2014 e 2020.

*Com informações do Extra e do Estado de S. Paulo.