Queda na confiança nas urnas inclui eleitores de Lula e dispara entre mais ricos

  • Opa!
    Algo deu errado.
    Tente novamente mais tarde.
Neste artigo:
  • Opa!
    Algo deu errado.
    Tente novamente mais tarde.
*Arquivo* BRASÍLIA, DF, 19.09.2018 - Urnas eletrônicas são testadas em Brasília. (Foto: Pedro Ladeira/Folhapress)
*Arquivo* BRASÍLIA, DF, 19.09.2018 - Urnas eletrônicas são testadas em Brasília. (Foto: Pedro Ladeira/Folhapress)

SÃO PAULO, SP (FOLHAPRESS) - A queda no nível de confiança nas urnas eletrônicas, detectada pelo Datafolha, atingiu com mais força os eleitores de Jair Bolsonaro (PL), mas não poupou os de Luiz Inácio Lula da Silva (PT).

No levantamento anterior, em março, 29% dos bolsonaristas diziam não ter confiança no sistema de votação, patamar que subiu 11 pontos agora, para 40%. No caso dos lulistas, a fatia cresceu, embora com menos intensidade, de 11% para 16%.

Nada que se compare, no entanto, à disparada ocorrida no segmento mais rico da população, no qual Bolsonaro consegue seus melhores índices. Na faixa que tem renda mensal de mais de dez salários mínimos, 21% desconfiavam da urna há dois meses. Agora, são 34%, um salto de 13 pontos percentuais.

Em comparação, no estrato mais pobre, dos que têm renda mensal de até dois salários mínimos, o patamar dos que não confiam no sistema eletrônico subiu 8 pontos percentuais, passando de 17% para 25%.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos