Queiroga acusa João Doria de ter retido doses a mais da CoronaVac e fala em “compensação”

  • Opa!
    Algo deu errado.
    Tente novamente mais tarde.
·2 minuto de leitura
Neste artigo:
  • Opa!
    Algo deu errado.
    Tente novamente mais tarde.
RIO DE JANEIRO, BRAZIL - AUGUST 3: Brazil's Health Minister Marcelo Queiroga participates in mass vaccination against Covid-19 for residents of the Mare favela Complex, in Rio de Janeiro, Brazil on August 03, 2021. Health Minister Marcelo Queiroga said at a press conference that the portfolio under his command has no
Ministro da Saúde, Marcelo Queiroga, alegou que SP ficou com doses a mais da CoronaVac (Foto: Fabio Teixeira/Anadolu Agency via Getty Images)
  • Marcelo Queiroga rebateu acusações feitas por João Doria e disse que a decisão é baseada em uma "compensação"

  • Doria acusou o governo federal de entregar doses a menos das vacinas da Pfizer

  • Queiroga alegou que o secretário de Saúde de SP, Jean Gorinchteyn, foi informada da decisão

O ministro da Saúde, Marcelo Queiroga, se defendeu das acusações feitas por João Doria (PSDB), governador de São Paulo, de ter enviado doses a menos para o estado. Queiroga ainda justificou o envio menor de doses da Pfizer pelo número de vacinas CoronaVac que ficaram com os paulistas.

“Não é o ministro que distribui doses de maneira discricionária. As pessoas não têm noção exata do funcionamento do PNI e da sua organização tripartite”, afirmou.

Leia também

Segundo Queiroga, o PNI entendeu que o estado de São Paulo ficou com mais doses do Instituto Butantan e, por isso, estaria sendo feita uma compensação.

Questionado por jornalistas se isso foi informado ao secretário de Saúde de São Paulo, Jean Gorinchteyn, Queiroga disse que sim.

“Essas informações são passadas aos secretários. O doutor Jean é uma pessoa muito qualificada de elevado espírito público. Eu tenho um relacionamento muito fluido com ele. Eu não conversei com o doutor Jean, mas segundo o Rodrigo Cruz essas tratativas existem e a própria representação do CONASS (Conselho Nacional de Secretários Estaduais de Saúde) tem essa finalidade”, afirmou.

São Paulo esperava receber 228 mil doses a mais da Pfizer, baseando-se na proporcionalidade de habitantes do estado. No entanto, segundo o Ministério da Saúde, há outro critério de distribuição, que a compensação. O objetivo é equilibrar a vacinação nos entes da federação.

Acusações feitas por Doria

O governador de São Paulo, João Doria (PSDB), afirmou que o estado recebeu apenas 50% do contingente esperado de doses da vacina da Pfizer contra a covid-19, referente a última entrega feita pela farmacêutica.

Segundo Doria, esse atraso pode prejudicar o início da vacinação dos jovens de 12 a 18 anos no estado, previsto para começar em 18 de agosto. São Paulo recebeu 228 mil doses do imunizante, mas esperava receber o dobro disso.

"O número representa 50% a menos do que o governo de São Paulo tem direito de receber dentro do PNI. A última remessa foi reduzida pela metade sem nenhuma justificativa. Decisão arbitraria. O MS compromete a vacinação de crianças e adolescentes em SP previsto para iniciar no dia 17 de agosto", afirmou Doria na última quarta-feira (04).

Nesta quinta, Doria voltou a reclamar da decisão: "Estão criando factoides para tentar justificar o injustificável. Parem de mentir e entreguem as vacinas da população de SP!"

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos