Queiroga admite pressão no sistema de saúde por causa da variante Ômicron

·1 min de leitura

BRASÍLIA — O ministério da Saúde, Marcelo Queiroga, reconheceu que a variante Ômicron, mais transmissível que outras cepas do coronavírus, tem elevado a pressão sobre o sistema de saúde brasileiro. As declarações foram dadas nesta quinta-feira durante reunião com gestores estaduais e municipais.

Diante do maior contágio, pelo menos dez estados já veem as taxas de ocupação de leitos de Unidades de Terapia Intensiva (UTIs) por Covid-19 atingirem a marca de 70%:

— Pressão sobre o sistema de saúde já ocorre. Pelo menos uma dezena de estados já tem os leitos de terapia intensiva ocupados em percentual superior a 70%. Porém, no início da pandemia, o número de leitos de UTI era em torno de 22 mil e, hoje, nós temos condições de ampliar — afirmou.

Para Queiroga, o avanço da vacinação contra a Covid-19 deve frear o avanço da Ômicron e arrefecer o cenário epidemiológico. Dados do consórcio de imprensa do qual O GLOBO faz parte mostram que quase 70% da população brasileira já completaram o ciclo de imunização até a última quarta-feira.

— Esse perfil de vacinação faz acreditar que o impacto da Ômicron pode ser parecido com o que está acontecendo no Reino Unido, em Portugal e na Espanha, onde os casos também explodiram, mas não houve incremento forte de óbitos. É isto o que nós queremos aqui no Brasil: não que os casos explodam, nós queremos não subam os óbitos.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos