Queiroga critica inclusão crianças e jovens na vacinação contra a Covid-19 antes de aval do PNI

·1 minuto de leitura

BRASÍLIA — O ministro da Saúde, Marcelo Queiroga, afirmou nesta quarta-feira que estados e municípios não devem imunizar menores de 18 anos antes que o Programa Nacional de Imunizações (PNI) autorize. Segundo o cardiologista, o aval só pode vir após aprovação da Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa).

O órgão regulatório permitiu em 11 de junho a aplicação de doses da Pfizer em jovens de 12 a 17 anos. Mesmo assim, o grupo segue de fora do Plano Nacional de Operacionalização da Vacinação contra a Covid-19 (PNO). São Luís, no Maranhão, começou a vacinar adolescentes de 16 anos em 14 de julho. Já quem tem de 12 a 17 anos em São Paulo deve receber a primeira dose no fim de agosto.

— Eu tenho conhecimento de que eles estão tratando desse tema. É claro que é um público em que se estudaram menos as vacinas, mas há problemas epidemiológicos com esse subgrupo. A gente tem notícias de síndromes respiratórias e de óbitos que afetam nossos adolescentes. (...) O importante é que estados e municípios não se adiantem na inclusão de grupos que não foram analisados pelo Programa Nacional de Imunização — afirmou em entrevista à imprensa.

Segundo Queiroga, o PNI vai publicar nota técnica orientando a vacinação desse grupo após avaliação. O ministro, contudo, não detalhou como ou quando a medida será realizada.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos