Queiroga defende segunda dose com mesma vacina e intercambialidade só para reforço

·2 minuto de leitura
Ministro da Saúde, Marcelo Queiroga

Por Maria Carolina Marcello

BRASÍLIA (Reuters) - O ministro da Saúde, Marcelo Queiroga, afirmou nesta segunda-feira que a orientação da pasta é promover o esquema de imunização com as duas doses da mesma vacina, e que o chamado intercâmbio de imunizantes seja utilizado apenas para as doses adicionais ou de reforço.

"A ideia é que a vacina seja homóloga. A dose heteróloga é para reforço ou dose adicional", disse o ministro a jornalistas. "Isso é para os idosos acima de 70 anos e para aqueles que são imunocomprometidos."

"Se porventura a AstraZeneca, por conta de questões operacionais, faltar, eventualmente se usar a intercambialidade (para a segunda dose). Agora, o critério não pode ser 'faltou um dia, já troca', se não a gente não consegue avançar", acrescentou.

A Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz), responsável pelo envase no Brasil da vacina contra Covid-19 desenvolvida pela AstraZeneca com a Universidade de Oxford, atrasou as entregas do imunizante ao PNI após a demora na chegada do insumo farmacêutico ativo (IFA) da vacina.

Alguns Estados, como Rio de Janeiro e São Paulo, registraram falta de doses do imunizante da AstraZeneca para aplicação da segunda dose, e em alguns locais, como na capital paulista, decidiu-se pela aplicação da vacina da Pfizer como segunda dose para quem tomou a primeira da AstraZeneca.

Segundo o ministério, a falta de vacinas para a segunda dose se deve ao fato das autoridades de alguns Estados terem usado todas as vacinas para a primeira aplicação e não reservado para a segunda. A informação, no entanto, é contestada pelos Estados.

Queiroga manifestou descontentamento com Estados que não se adiantaram à orientação geral do Plano Nacional de Imunização (PNI) e disse que "fica difícil" lidar com essa "Torre de Babel".

O ministro acrescentou que afirmou que a intenção é concluir a distribuição de vacinas para a aplicação de primeiras doses ainda nesta semana. A expectativa da Fiocruz é retomar as entregas do imunizante nesta semana.

Queiroga afirmou ainda que o Brasil está próximo de abandonar o uso obrigatório de máscaras, como pede o presidente Jair Bolsonaro, mas não informou uma data para isso. Queiroga alertou, no entanto, que o contexto da doença no país tem que ser favorável à flexibilização da obrigatoriedade.

"Estamos bem perto de chegar a isso no Brasil, agora, é necessário que o contexto epidemiológico seja favorável a essa ação, e que a nossa campanha avance mais", disse o ministro.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos