Queiroga diz que Ministério da Saúde enviará nesta semana documento sobre autoteste para Anvisa

  • Opa!
    Algo deu errado.
    Tente novamente mais tarde.
·2 min de leitura
Neste artigo:
  • Opa!
    Algo deu errado.
    Tente novamente mais tarde.
  • Marcelo Queiroga
    Médico brasileiro, Ministro da Saúde do Brasil

BRASÍLIA — O ministro da Saúde, Marcelo Queiroga, disse nesta quarta-feira de manhã que a pasta vai enviar ainda nesta semana uma posição à Agência de Vigilância Sanitária (Anivsa) sobre a política pública para aplicação do autoteste de Covid-19. A declaração do ministro veio após cobrança do diretor-presidente da Anvisa, Barra Torres, de que a aprovação pela agência depende de documentos que irão nortear as orientações de exames que poderão ser realizados pelos próprios pacientes.

Queiroga afirmou que a ampliação da capacidade de testagem na rede privada pode ajudar neste momento de alta na taxa de transmissão da Covid-19 no Brasil.

— O autoteste é uma iniciativa que pode se somar ao esforço do Ministério da Saúde — disse Queiroga.

O ministro defendeu que os exames sejam feitos pelos pacientes com orientação das revendedoras e sincronizados com o Ministério da Saúde, que precisa computar os dados para estabelecer políticas públicas.

Indagado se quem trouxe o teste de Covid-19 do exterior poderia usar, o ministro disse que sim.

— Se trouxe o teste, pode testar — confirmou Queiroga.

A Anvisa entende que a atual resolução, que proíbe a testagem,precisa ser revista. Em entrevista ao programa “Em Foco”, na GloboNews, Barra Torres disse que o autoteste é uma tendência mundial e a Anvisa não vai perder tempo, mas aguarda o posicionamento do ministério

- Não é simplesmente liberar um autoteste para ser feito em farmácia pelo próprio cliente, pelo próprio cidadão. Ele vem dentro de uma política pública de saúde. Porque é necessário uma previsão de uma série de fatores. Esse resultado precisa ser compilado, caso contrário a gente faz o teste e quem fica sabendo é só quem testou e o sistema de compilação nacional, então isso precisa existir.

De acordo com o presidente da Anvisa, a agência já está trabalhando com antecedência para que, logo que chegarem os documentos, não haja atraso para um posicionamento.

-Tão logo esses documentos do ministério cheguem para nós, traçando esse ordenamento de como essa política vai ser implementada, parte que nos cabe, que é uma parte de análise do teste, verificação, já vai estar muito adiantada.

- Penso que pelo menos por nós aqui não vai ter uma perda de tempo. É uma tendência mundial, há uma série de críticas, mas de fato é uma tendência que está sendo no mundo todo. No que tange à Anvisa nós não vamos atrasar tão logo recebamos esses documentos do ministério”.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos