Queiroga diz que novo contrato com Butantan depende de registro definitivo da CoronaVac na Anvisa

·1 minuto de leitura

BRASÍLIA— O ministro da Saúde, Marcelo Queiroga, afirmou nesta terça-feira que caso a vacina CoronaVac obtenha registro definitivo da Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa), o imunizante será considerado para compras futuras. Na semana passada, a pasta afirmou que não havia perspectiva de nova contratação.

Na tarde desta terça, a CPI da Covid no Senado aprovou um requerimento para que o Ministério da Saúde explique em 48 horas o motivo para deixar de usar a vacina CoronaVac no programa e para que forneça detalhes sobre o plano nacional de imunização para 2022.

Como informou o jornal "Valor Econômico", a pasta está confeccionando uma estratégia para imunizar toda a população no ano que vem e garantir aquisição de pelo menos uma dose por pessoa. Segundo fontes da Saúde, o plano deve ser apresentado pelo ministério na semana que vem.

— O contrato é um documento que foi feito entre as partes e o número de doses tem que ser entregue. Isso foi feito em um regime emergencial, esse imunizante obteve um registro emergencial na Anvisa e nós esperamos que a Anvisa conceda um registro definitivo, uma vez a Anvisa concedendo o registro definitivo, o Ministério da Saúde considera essa ou qualquer outra vacina com registro definitivo para fazer parte do PNI — afirmou o ministro.

Queiroga afirmou ainda que o país tem um montante "muito grande" de vacinas já contratadas a receber, como mais de 30 milhões de doses da Janssen, além de imunizantes enviados pelo consórcio global Covax Facility. O ministro citou ainda a produção nacional feita pela Fiocruz.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos