Queiroga escolhe médico crítico da cloroquina para coordenar grupo sobre protocolos contra covid

Redação Notícias
·2 minuto de leitura
Médico Carlos Carvalho
Carlos Carvalho (Foto: Reprodução)
  • Ministro da Saúde escolheu médico contrário à cloroquina para coordenar grupo

  • Carlos Carvalho vai chefiar equipe para definir protocolos de combate à covid-19

  • O médico pneumologista atua no Hospital das Clínicas e no InCor em São Paulo

Carlos Carvalho, professor da Universidade de São Paulo (USP), foi escolhido pelo novo ministro da Saúde, Marcelo Queiroga, para coordenar um grupo sobre protocolos de combate à covid-19.

De acordo com coluna do jornal Folha de S. Paulo, Carvalho é um dos maiores críticos do país sobre a utilização da cloroquina, remédio defendido pelo presidente Jair Bolsonaro. O médico pneumologista apontou desde o início da pandemia que não havia comprovação da eficácia do medicamento.

Leia também:

Queiroga pediu os protocolos usados no Hospital das Clínicas e no InCor, onde Carvalho trabalha, para levar a todo o Brasil. Os hospitais não utilizam cloroquina e ivermectina no tratamento do coronavírus.

Em entrevista à BBC News Brasil, em abril de 2020, Carvalho comparou a eficácia da cloroquina contra covid-19 à da Novalgina - ou seja, nenhuma.

“A falta de organização central e as informações desconexas sobre medicação sem eficácia contribuíram para a letalidade maior na nossa população. Não vou dizer que representa 1% ou 99% (das mortes), mas contribuiu”, defendeu ele.

“Alguns prefeitos distribuíram saquinho com o ‘kit covid’. As pessoas mais crédulas achavam que tomando aquilo não iam pegar covid nunca e demoravam para procurar assistência quando ficavam doentes”, disse na entrevista.

Ministro da Saúde, Marcelo Queiroga, deu entrevista coletiva na última quarta-feira
Ministro da Saúde, Marcelo Queiroga, deu entrevista coletiva na última quarta-feira (Foto: Reprodução)

No meio médico, a escolha de Queiroga foi elogiada, já que o pneumologista é uma das maiores referências de sua área no país. Colegas disseram que dificilmente o Ministério da Saúde encontraria alguém tão empenhado na defesa da ciência - ou seja - crítico à recomendação de medicamentos que não somente não têm eficácia comprovada contra o coronavírus, mas cujo uso indiscriminado tem levado a efeitos adversos.

O HC (Hospital das Clínicas) da Unicamp (Universidade Estadual de Campinas) confirmou a identificação de um caso de hepatite provocada pelo uso de medicamentos do "kit covid". Sem eficácia científica comprovada, o tratamento com azitromicina, hidroxicloroquina e ivermectina foi amplamente defendido por Bolsonaro.

Queiroga quer acelerar ritmo de vacinação

O nome do professor da USP foi anunciado durante entrevista coletiva à imprensa na quarta-feira (24). No primeiro pronunciamento após tomar posse, o ministro da Saúde prometeu aumentar em três vezes o ritmo de vacinação contra a covid-19 no país.

De acordo com Queiroga, é possível passar de 300 mil imunizados por dia para 1 milhão em um curto espaço de tempo porque "o Brasil tem condições de vacinar muitas pessoas". Ele também garantiu que recebeu autonomia para fazer indicações na pasta, com a criação de uma secretaria especial para cuidar da pandemia do novo coronavírus.