Queiroga foi a reunião de fundos de investimento e encontro com Boris em NY

  • Opa!
    Algo deu errado.
    Tente novamente mais tarde.
·2 minuto de leitura
Neste artigo:
  • Opa!
    Algo deu errado.
    Tente novamente mais tarde.
***ARQUIVO***BRASILIA, DF, 24.06.2021 - O ministro da Saúde, Marcelo Queiroga, fala com a imprensa ao sair do Ministério da Saúde. (Foto: Pedro Ladeira/Folhapress)
***ARQUIVO***BRASILIA, DF, 24.06.2021 - O ministro da Saúde, Marcelo Queiroga, fala com a imprensa ao sair do Ministério da Saúde. (Foto: Pedro Ladeira/Folhapress)

SÃO PAULO, SP (FOLHAPRESS) - Antes de receber o diagnóstico de Covid-19, nesta terça-feira (21), último dia da viagem a Nova York para acompanhar a participação de Jair Bolsonaro na Assembleia-Geral da ONU, o ministro da Saúde do Brasil, Marcelo Queiroga, esteve em diferentes compromissos oficiais, com e sem o presidente.

Entre eles está um encontro com o primeiro-ministro britânico, Boris Johnson, que depois da cúpula das Nações Unidas se reuniu com o presidente americano, Joe Biden, em Washington.

Agora, em razão do diagnóstico de Covid, Queiroga não voltou com a comitiva de Bolsonaro para o Brasil e escreveu no Twitter que cumprirá quarentena "respeitando todos os protocolos sanitários" nos EUA.

Com base em publicações nas redes sociais e em sua agenda oficial, a Folha reconstituiu os passos de Queiroga em Nova York. Segundo um integrante da comitiva presidencial, o ministro teria viajado aos EUA com um teste negativo. 

Domingo (19), à noite Comitiva brasileira chega a Nova York. Na sequência, Queiroga, Bolsonaro e outros ministros saem para jantar e comem pizza na calçada, driblando a exigência de comprovante de vacina para entrar na parte interna de restaurantes da cidade -o presidente diz não ter se vacinado.

Segunda-feira (20) O ministro toma café da manhã com representantes de fundos de investimentos internacionais. Na imagem da reunião publicada em sua rede social, todos aparecem de máscara.

Queiroga também acompanha o encontro entre Bolsonaro e o premiê britânico, Boris Johnson.

Já à noite, a comitiva brasileira vai jantar na residência da missão brasileira junto à ONU, no Upper East Side. Cerca de dez pessoas gritam palavras de ordem contra o mandatário, como "genocida" e "assassino", em frente ao local.

Ao deixar a residência, o ministro da Saúde, de dentro de uma van, levantou-se do assento e mostrou o dedo do meio para os manifestantes, que responderam com gritos e fazendo o mesmo gesto.

Terça-feira (21) O ministro participa dos encontros de Bolsonaro com o presidente polonês, Andrzej Duda, e com o secretário-geral da ONU, o português António Guterres.

Na sequência, no prédio das Nações Unidas, acompanhou a abertura da Assembleia-Geral da ONU e o discurso de Bolsonaro. Também visita o plenário, onde tira uma foto de máscara -exigência para circular nas dependências da organização; só quem discursasse poderia ficar sem o item de proteção.

À tarde, Queiroga integrou reunião do Conselho Diretor da Opas (Organização Pan-Americana de Saúde). Depois, visitou o memorial do World Trade Center, onde ocorreram os atentados do 11 de Setembro, junto com o presidente. Há uma aglomeração em torno do mandatário, cercado por alguns turistas.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos