Queiroga promete chegada de 3 milhões de doses da vacina da Janssen ainda em junho

Medical syringes in the mini shopping trolley are seen in front of the Johnson and Johnson logo displayed on a screen.
On Friday, 28 May 2021, in Dublin, Ireland. (Photo by Artur Widak/NurPhoto via Getty Images)
Vacina da Janssen é aplicada em dose única (Foto: Artur Widak/NurPhoto via Getty Images)
  • Queiroga prometeu a chegada de 3 milhões de doses da vacina da Janssen ao Brasil em junho

  • Brasil tem acordo de compra de 38 milhões de doses da vacina

  • Imunizanda da Janssen é aplicado em dose única

O ministro da Saúde, Marcelo Queiroga, afirmou que o governo conseguiu antecipar a entrega de 3 milhões de doses da vacina da Janssen contra a covid-19 para o mês de junho. O imunizante da Johnson&Johnson é aplicado em dose única.

O Brasil comprou 38 milhões de doses da vacina e a previsão era de que a entrega começasse a ser feita nos próximos meses. Segundo o ministro, o imunizante estará no país ainda neste mês.

Leia também

“A vacina da Janssen, nós já tinhamos acertado com a Janssen 38 milhões de doses da vacina, nós conseguimos antecipar 3 milhões. Chega agora no mês de junho”, declarou Marcelo Queiroga.

“Estamos organizando com o Conass e Conasens a estratégia de distribuição dessa vacina. A principal característica dessa vacina é que ela é dose única, então, sendo dose única, são 3 milhões de brasileiros a mais imunizados de forma completa contra a covid-19”, explicou.

A vacina da Janssen já foi aprovada pela Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) e seria a quarta a ser usada no Brasil. Até o momento, estão sendo aplicadas a CoronaVac, a AstraZeneca e a Pfizer, todas precisam de duas doses para dar a imunização completa.

Mais duas vacinas em avaliação

Na tarde desta sexta-feira (4), às 14h, a Anvisa (Agência Nacional de Vigilância Sanitária) vai analisar dois pedidos de liberação de vacinas contra a covid-19:

  • Sputnik, da Rússia

  • Covaxin, da Índia

Os dois imunizantes já passaram pela Anvisa antes e tiveram a liberação negada – ambos de forma unânime pelo colegiado da agência.