Queiroga recebe homenagem fake em Sergipe e tem nome camuflado

***ARQUIVO*** BRASÍLIA, DF, 01.06.2022 - O ministro da Saúde, Marcelo Queiroga, durante entrevista à Folha em seu gabinete. (Foto: Pedro Ladeira/Folhapress)
***ARQUIVO*** BRASÍLIA, DF, 01.06.2022 - O ministro da Saúde, Marcelo Queiroga, durante entrevista à Folha em seu gabinete. (Foto: Pedro Ladeira/Folhapress)

SÃO PAULO, SP (FOLHAPRESS) - Marcelo Queiroga, ministro da Saúde, recebeu nesta quinta-feira (3) um título honorário de cidadão de Aracaju que não foi votado pela Câmara Municipal da capital de Sergipe e que, por isso, não tem validade.

A entrega do diploma aconteceu nesta quinta-feira (3), em Aracaju, em cerimônia que contou com a presença do vereador Pastor Diego (PP), autor de projeto para concessão do título de cidadão aracajuano para Queiroga, e o prefeito Edvaldo Nogueira (PDT).

O projeto de decreto legislativo foi colocado no expediente da quinta-feira, mas não foi votado. A vereadora Linda Brasil (PSOL), que presidiu parte da sessão, diz que leu o expediente e não compreendeu que se tratava do ministro da Saúde.

Isso porque no documento o nome de Queiroga foi grafado sem o sobrenome mais conhecido: "concede o título de cidadão aracajuense ao senhor Marcelo Antônio Cartaxo Lopes".

Mesmo com essa maquiagem, o projeto não foi para votação, pois a pauta da Câmara de Aracaju está travada desde o primeiro turno das eleições devido a um impasse político com o prefeito.

Ignorando a exigência da aprovação para a concessão do título, o vereador bolsonarista Pastor Diego entregou o título para o ministro em cerimônia na Câmara.

Nas redes sociais, o vereador Anderson de Tuca, presidente da Comissão de Justiça, escreveu que a entrega do título não passou pelos trâmites necessários e obrigatórios previstos no regimento da Casa, o que indicaria falta de respeito para com os demais parlamentares.

"Todo e qualquer título de Cidadão Aracajuano, precisa ser lido em Sessão e seguir o trâmite de aprovação na Comissão de Justiça, que sou presidente, e depois seguir para aprovação no Plenário, sendo votado pelos demais parlamentares. O Título recebido pelo Ministro Marcelo Queiroga não passou por esse rito, que é obrigatório, previsto pelo regimento interno", escreveu o vereador.

A reportagem procurou o vereador Pastor Diego e o presidente da Câmara, Nitinho Vitale (PSD), mas não teve resposta.

Como mostrou o Painel, Queiroga foi vaiado na noite desta quinta-feira ao participar de congresso de secretários municipais de Saúde em Aracaju. Em reação, ele xingou os membros da plateia de covardes.

Queiroga foi o último dos ministros da Saúde escolhidos por Bolsonaro para combater a pandemia da Covid-19. Ele assumiu o cargo após Luiz Henrique Mandetta (União Brasil), Nelson Teich e Eduardo Pazuello (PL, deputado federal eleito).

Os dois primeiros perderam os cargos após demonstrarem resistência à postura negacionista do presidente, que combatia medidas de isolamento social recomendadas por cientistas e pela Organização Mundial da Saúde e recomendava medicamentos sem eficácia contra o coronavírus, como a hidroxicloroquina e a ivermectina.