Queiroga suspende nomeação de médica defensora da cloroquina para hospital federal no Rio

·1 minuto de leitura

RIO - O ministro da Saúde, Marcelo Queiroga, suspendeu a nomeação da médica bolsonarista Mara Regina Cordeiro Pezzino para o cargo de diretora-geral do Hospital Federal de Ipanema, no Rio. A decisão que tornou sem efeito o decreto anterior consta no Diário Oficial da União desta quarta-feira.

Como mostrou o Sonar, Mara Pezzino fez diversas manifestações nas redes sociais em que defendeu tratamentos para Covid-19 com remédios sem eficácia contra a doença, como cloroquina e ivermectina, e lançou dúvidas sobre o efeito de vacinas aplicadas no país, o uso de máscaras e sobre estatísticas oficiais de mortos na pandemia.

Sua nomeação não foi explicada pelo Ministério da Saúde. A troca no comando do hospital federal ocorreu após a exoneração do então superintendente do ministério no Rio, o militar da reserva George Divério. Em maio, uma reportagem do Jornal Nacional, da TV Globo, mostrou irregularidades em contratos da saúde no Rio.

O GLOBO revelou na semana passada que a CPI da Covid vai montar um núcleo que se dedicará exclusivamente a investigar supostas irregularidades em hospitais federais do Rio. Para isso, a comissão recrutará agentes da Polícia Federal e designará consultores para se debruçarem sobre os contratos e a gestão dessas unidades.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos