Quem é Lula, quem é Bolsonaro? Como a eleição afetou o dia a dia do Botafogo

Assim como em todo o país, a eleição presidencial movimentou o dia a dia do Botafogo, principalmente durante o segundo turno. Como também aconteceu no rival rubro-negro, a maioria dos jogadores do elenco alvinegro teve preferência por Bolsonaro e apenas dois atletas do time profissional se engajaram a favor de Lula. Mesmo assim, embora o tema tenha sido debatido até nas redes sociais, não houve nenhum tipo de conflito entre os jogadores. O clima foi harmonioso entre os que possuem visões políticas diferentes e continua assim após a vitória de Luiz Inácio Lula da Silva (PT).

Rival: Como o Flamengo orientou os jogadores no encontro com Bolsonaro; saiba quem apoia Lula

Durante o primeiro turno, os jogadores não conversavam muito sobre as eleições. O mais interessado no tema era justamente o técnico Luís Castro. O treinador português, que vem de uma formação política forte — cresceu nos tempos da ditadura em Portugal, a qual era contra, frequentava comícios de esquerda e bateu de frente com o pai, que era militar, durante a adolescência —, queria entender, por exemplo, por que Lula era o favorito para ganhar, como aconteceu, mesmo depois de ter sido preso.

Além disso, o treinador gosta de falar sobre economia, e queria entender como o candidato eleito do PT trataria o tema. Dentro disso, impressionava Castro que ninguém entre os jogadores sabia responder sobre o tema.

Bastidores: CBF vê com bons olhos a eleição de Lula

Leia também: Organizada desbloqueia rodovia para ônibus seguir para jogo do Atlético-MG; torcidas se movimentam pelo Brasil

Quando chegou ao Brasil, Luís Castro queria entender melhor o contexto da política brasileira, porque em Portugal a imagem que ele tinha de Bolsonaro era muito ruim. Mesmo assim, Castro entendia que não deveria se posicionar publicamente, por ser um estrangeiro no país.

Segundo turno engajado

Nos dias que antecederam o segundo turno, a eleição virou um tema mais debatido entre os jogadores, dentro e fora do vestiário, e também nas redes sociais. Já no dia da votação no primeiro turno, o lateral-esquerdo Marçal havia se posicionado a favor de Jair Bolsonaro (PL). Posteriormente, o lateral-direito Rafael e o volante Danilo Barbosa fizeram o mesmo. Não à toa, o trio é mais engajado a favor do atual presidente.

O lateral, aliás, se envolveu em uma polêmica nos comentários da publicação. Ao apoiar Bolsonaro "em prol da família", o camisa 7 levou um exposed. Torcedoras alvinegras compartilharam nas redes sociais uma série de conversas em tom de flerte com o jogador e encheram a publicação dele, que é casado e tem três filhos, de comentários acusando-o de hipocrisia.

Eleições: Neymar responde provocação por derrota na eleição: ‘gosta de aparecer’

Teve também: Neymar reage a críticas com ironia: 'Meu emocional é fraco e sou pipoqueiro'

Outros atletas importantes, como Daniel Borges e Gabriel Pires também são vistos como um dos mais favoráveis a Bolsonaro. Já nomes como Júnior Santos, Adryelson e Philipe Sampaio são mais discretos, embora também se identifiquem com o político da extrema-direita.

Ainda no Botafogo, pode-se dizer que o mais fanático de todos e o que mais se engaja é o ex-jogador e atual técnico do time sub-23, Lúcio Flávio. O treinador, inclusive, defendeu as operações da PRF feitas no último domingo e chegou a postar no Twitter um vídeo de uma tentativa de latrocínio associando os criminosos ao PT, o que era uma informação falsa.

O Botafogo, por sua vez, não se incomoda com as postagens, que chegaram ao conhecimento do clube recentemente. Não há nenhuma crise interna por isso.

Missão Libertadores: Botafogo planeja dez pontos para confirmar vaga no G8 e ir à Libertadores

Já em relação à Lula, Tiquinho Soares é, de fato, o que mais gosta do político. A identificação do atleta com o político vem desde os tempos em que Tiquinho jogava na Paraíba. No último domingo, o centroavante comemorou a vitória de Luiz Inácio com seus famíliares. A preferência do camisa 9 com o candidato eleito chegou ao conhecimento de uma parte da torcida recentemente, que comemorou nas redes sociais. Sem dizer o nome de Lula, Tiquinho fez várias postagens alusivas ao petista, e curte postagens da campanha vencedora.

Junto de Tiquinho, está Tchê Tchê. Bastante engajado nas pautas sociais, principalmente raciais, o volante se vê numa oposição forte ao governo de Bolsonaro.

Já os atletas mais jovens do elenco profissional, como Matheus Nascimento e Jeffinho, não participaram muito das conversas sobre política.

Vai na contramão o jovem zagueiro Reydson, das divisões de base. Capitão em diversas categorias, o atleta milita a favor de Lula e compartilhou diversos posts nas redes sociais após a vitória do petista.