Quem é o Homem-Pateta que está aterrorizando crianças pela internet

Felipe Demartini

Desde a última semana, autoridades e jornais vêm veiculando alertas sobre o Homem-Pateta, um perfil cujo nome é Jonathan Galindo e que viria assustando crianças na internet e promovendo desafios que envolvem o suicídio como objetivo final. O aviso, feito inicialmente pela Polícia Civil de Santa Catarina, é para que os pais monitorem o uso da internet pelos filhos e, principalmente, com quem eles se comunicam, buscando as autoridades e auxílio psicológico caso necessário.

O alerta publicado no dia 17 de junho foi dado pelo Núcleo de Inteligência e Segurança Institucional (NIS) do Tribunal de Justiça do estado (TJSC) e teria sido publicado após avisos de pais e professores. A ideia é que os perfis que se identificam como Jonathan Galindo e utilizam imagens uma versão antropomórfica do Pateta, da Disney, surgiram em 2017 em países de língua espanhola e estão chegando apenas agora ao Brasil, buscando contato com crianças por meio de mensagens diretas ou ligações de vídeo e áudio, por onde também exibem seu conteúdo perigoso, voltado para “causar desconforto, medo e, em alguns casos, tentar provocar o suicídio”.

O aviso logo foi reproduzido em sites de notícias, principalmente naqueles focados em educação infantil, enquanto alertas semelhantes também eram dados por forças policiais de outros estados. Conforme levantamento do site e-Farsas, a Polícia Civil de Campo Grande (MS) também falou no assunto, enquanto o jornal Tribuna do Paraná também publicou reportagem sobre o caso. Entretanto, algo em comum: não existem boletins de ocorrência registrados sobre o tal Homem Pateta nem casos confirmados, enquanto as autoridades dizem estar realizando um trabalho de prevenção baseado em informações de pais e professores.

A divulgação, claro, fez com que o caso ganhasse corpo. Uma pesquisa rápida no Facebook revela dezenas de perfis com o nome de Jonathan Galindo e imagens do Homem-Pateta, além de páginas que compartilham publicações sobre essa figura misteriosa e de aparência incômoda. O mesmo também vale para outras redes sociais, enquanto no YouTube, começam a surgir diversos relatos sobre encontros com essa figura e histórias de terror que, no intuito de assustar, acabam também demonstrando que a história se trata de um grande rumor.

Origens

Vídeo de YouTuber mexicano explorando as publicações de Jonathan Galindo é um dos primeiros registros sobre a história macabra que circula até hoje (Imagem: Reprodução/Felipe Demartini)

Os primeiros relatos sobre a existência de um perfil desse tipo datam de 2017. Uma publicação de 9 de janeiro daquele ano, do YouTuber mexicano Rey Del Random, fala sobre um perfil que não deixará as pessoas dormirem e faz um passeio pelas imagens perturbadoras do perfil, à época, com uma grafia diferente: Jhonatan Galindo. No momento em que essa reportagem é escrita, o vídeo acumula quase 230 mil visualizações e acabou dando origem a vários outros, com números semelhantes ou até maiores.

A história, também, foi aumentando a cada postagem nova. Alguns criadores afirmam ter entrado em contato direto com Galindo, que seria uma pessoa deformada por um acidente químico — daí o uso da maquiagem inspirada no Pateta. Em outros, vinha a ideia de que ele seria um sequestrador de crianças, algo potencializado por algumas das publicações vistas por estes YouTubers, com fotos de crianças e adolescentes segurando um papel com o nome deste homem misterioso escrito. Em todos os casos, porém, algo em comum: nenhuma confirmação oficial.

Uma pesquisa rápida, porém, ajuda a revelar a verdade, pelo menos, quanto às imagens utilizadas. O personagem é obra de um cineasta e artista de efeitos visuais chamado James Fazzaro e começaram a surgir na internet no final de 2011 como uma forma de demonstrar o uso de prótese e maquiagens para a criação de personagens e divulgar sua empresa, a JMF Filmworks. A criatura que ficou conhecida como Homem-Pateta, na realidade, começou sua carreira na internet como Tony the Toon em um fórum voltado à cultura furry, que reúne entusiastas da personificação de animais de forma antropomórfica, com expressões e atitudes humanas, andando em duas patas e outras características do tipo.

O Homem-Pateta é um personagem do cineasta e artista de efeitos visuais James Fazzaro, com uma personalidade e traços que foram se tornando mais sombrios com o tempo (Imagens: Divulgação/James Fazzaro)

Fazzaro seguiu com personagens desse tipo, mas optou por um rumo mais realista e um tanto sombrio com seu personagem seguinte, Garry the Goof. Aqui, saem as roupas coloridas e a maquiagem pesada para entrada de uma aparência um pouco mais decrépita, que também conversava com a história criada para ele, que tem duas personalidades: à noite, ele é um gentleman, que passia por aí cumprimentando a vizinhança e usando ternos vistosos. Durante o dia, porém, o personagem é funcionário de uma empresa de controle de pragas e, apesar do sorriso sempre presente, é citado como alguém que odeia sua vida e todas as pessoas que conhece.

Essa aparência perturbadora e sombria deu origem a um segundo personagem, Larry LeGeuff, que o artista dar indícios de ser o verdadeiro Garry. Entre 2012 e 2014, foram publicadas a maioria das fotos que são usadas, hoje, nos perfis de Jonathan Galindo, retratando um personagem com a barba por fazer e roupas velhas, que fuma sem parar e é viciado em bebida. O ambiente doméstico, também, foi substituído por galpões e porões, enquanto ele aparecia portando ferramentas de forma ameaçadora.

Fazzaro não publica em seu site oficial desde janeiro de 2014, onde fazia críticas de filmes a que assistia. Seu currículo no site IMDb, entretanto, o mostra ativo na indústria do cinema até o ano passado, quando atuou como operador de câmera em duas produções independentes, uma minissérie de sete episódios chamada Disconnected e o filme de terror religioso Schism, ambos inéditos no Brasil. No Facebook, ele permanece ativo e, em uma publicação recente, criticou a recente viralização de Larry LeGeuff, que levou terceiros a tentarem tomar crédito por seu trabalho.

Histórias de terror

As imagens de teor perturbador circularam por anos na internet, sempre destacadas de seu contexto original. Para chegarem às redes sociais, foi um pulo, com o perfil original usado por Rey Del Random sendo apenas o primeiro de muitos. Essa conta, inclusive, é atualizada até hoje, atualmente fazendo piadas com a viralização do conteúdo e o envolvimento de forças policiais, além de convidar os seguidores para chamadas de vídeo e áudio via Instagram ou Messenger.

Variações da história de Jonathan Galindo, no melhor estilo "aconteceu comigo" começaram a surgir entre YouTubers de língua espanhola antes de chegarem ao Brasil (Imagem: Reprodução/Felipe Demartini)

Vários “fakes dos fake”, claro, também surgiram, com a história, finalmente, ganhando corpo entre YouTubers de língua espanhola como o criador colombiano chamado Pipelon. Seu canal é especializado em pegadinhas e desafios, mas o relato de um suposto contato direto com Jonathan Galindo pelo Facebook Messenger angariou mais de um milhão de visualizações muito rapidamente. Nas cenas, ele afirma não apenas ter recebido ameaças do personagem, como também ter tido seu dispositivo hackeado só de falar com ele, com direito a fotos não autorizadas sendo enviadas como prova.

O conteúdo angariou público rapidamente e, no momento dessa publicação, já tem mais de 1,3 milhão de visualizações. O assunto se tornou uma série no canal de Pipelon, onde ele relata estar sendo perseguido pelo Homem-Pateta, com direito a avistamentos em sua própria casa.

A história finalmente explodiu pelas mãos do influenciador mexicano Carlos Name, que tem mais de 1,7 milhão de seguidores devido a seus trabalhos com maquiagem e marcas, além de contar histórias de terror pelos Stories. Foi por lá que ele contou a história de Jonathan Galindo, agora, com novas facetas: ele seria um homem de cerca de 40 anos com problemas psicológicos que perseguia mulheres e crianças.

Um dos grandes responsáveis pela viralização da história de Jonathan Galindo foi um influenciador chamado Carlos Name, que conta histórias de terror no Instagram e chegou a se maquiar como o personagem misterioso (Imagem: Reprodução/Felipe Demartini)

Antigas nuances também ressurgiram aqui, com Name afirmando que um contato pelo Facebook seria suficiente para que o Homem-Pateta surgisse na casa das pessoas e que ele usaria a maquiagem devido às deformações de seu rosto. Em uma série de stories, ele chegou a demonstrar um encontro com Galindo do lado de fora de sua residência.

A exposição lá fora, claro, chamou a atenção de YouTubers brasileiros, que rapidamente começaram a publicar conteúdos sobre a história e também alertas quanto ao suposto contato do perfil de Galindo com crianças por meio do Facebook. Foi na chegada ao Brasil, também, que a pronúncia original, como “Jhonatan”, saiu para dar espaço ao mais reconhecível “Jonathan”.

No Brasil, o mistério de Jonathan Galindo também virou série nos canais de vários criadores de conteúdo, que repercutiam histórias internacionais e adicionavam novas ideias a elas (Imagem: Reprodução/Felipe Demartini)

A busca pelo termo nas pesquisas do YouTube brasileiro traz diversos resultados, com um dos canais mais ativos na disseminação da história sendo o de Diogo Gomez. Em uma série, ele conta a história do encontro entre Carlos Name e Galindo, além de relatar conversas diretas com o próprio personagem. Seis conteúdos sobre a história haviam sido postados até a publicação desta reportagem, e juntos, eles acumulam quase um milhão de visualizações.

Não existem indícios dessa relação, mas se tivéssemos de apostar, diríamos que a conexão entre o alerta feito pela Polícia Civil caminha lado a lado com a disseminação dos vídeos sobre Galindo no Brasil. Diante de tais postagens, crianças e adolescentes, logicamente, ficariam interessados em contatar o personagem, seja para criar conteúdos próprios, gerar assunto entre os amigos ou simplesmente ver se a história é real.

Criando perigo

O fato de existir todo um contexto por trás da história de Jonathan Galindo e de não existirem ocorrências oficiais registradas sobre casos relacionados a ele, porém, não faz com que o alerta das autoridades deva ser deixado de lado pelos pais e responsáveis. Isso se deve à similaridade da história com outras duas, bem recentes e que devem estar ainda frescas na memória dos brasileiros.

O primeiro deles, com alcance internacional, envolvia Momo, um suposto espírito que se comunicava com as pessoas pelo WhatsApp e parecia saber tudo sobre elas. A imagem perturbadora era de uma estátua do artista japonês Keisuke Aisawa, enquanto o que surgiu como mistério acabou sendo usado como uma armadilha para roubar dados pessoais e financeiros ou exibir conteúdo assustador para crianças, além de as incitar à automutilação e suicídio por meio de vídeos de desafio.

Caso Jonathan Galindo lembra outros desafios que viralizaram e geraram temor no país, como o de Momo ou do jogo da Baleia Azul (Imagem: Reprodução/Canaltech)

O YouTube chegou a negar o caso, apenas para ver uma proliferação de clipes com Momo, que apareciam em meio a conteúdo infantil ou desenhos animados com mensagens suicidas e aterrorizantes. Enquanto autoridades e psicólogos infantis emitiam alertas, o site começou a desmonetizar vídeos relacionados à situação, como forma de reduzir seu alcance o interesse na criação de conteúdos desse tipo, até que a história acabou esfriando e morrendo. Diante da repercussão negativa, Aisawa também anunciou que destruiria a estátua que criou, originalmente, para um festival de monstros inspirado no folclore japonês.

Outro caso similar é o da Baleia Azul, que surgiu na rede social russa VK e rapidamente chegou ao Brasil por meio do WhatsApp. No jogo, os chamados “administradores” propõem uma série de desafios a jovens, que entram em contato com eles, normalmente, de forma involuntária. As tarefas envolvem automutilação e atos de violência, com o suicídio sendo a fase final — ameaças à família e entes queridos dos envolvidos eram feitas para forçar a realização dos atos dentro do tempo especificado.

Filipp Budeykin, de 21 anos, foi apontado pelas autoridades russas de ser o criador do jogo da Baleia Azul. Ele está preso desde novembro de 2016, acusado de aliciamento de menores e de envolvimento no desaparecimento ou suicídio de pelo menos 15 jovens no país. Ele aguarda julgamento após ter se declarado culpado, afirmando ter criado o desafio como uma forma de “limpar a sociedade”.

Jonathan Galindo não existe, assim como suas imagens perturbadoras, que são obras de um artista americano de efeitos visuais. A popularidade do caso, entretanto, não torna irreais os indícios de que jovens estariam sendo contatados diretamente em nome dele, com criminosos podendo muito bem utilizar essa trama intrincada e assustadoramente instigante para aplicar golpes ou, pior ainda, gerar atos de violência contra terceiros ou os próprios interlocutores.

Sendo assim, por mais que o alerta das autoridades não seja necessariamente baseado em evidências, é importante dar atenção a ele e observar o comportamento dos filhos, bem como o que eles andam fazendo internet afora. Se você está sendo assediado por um destes perfis, procure ajuda e orientação de pessoas em quem confie e interrompa o contato de forma imediata, bloqueando perfis e impedindo o acesso destes indivíduos às suas contas ou informações pessoais.

Caso precise de ajuda ou necessite de apoio emocional, você pode entrar em contato com o Centro de Valorização da Vida (CVV), pelo telefone 188 ou pelo chat disponível no chat disponível no site da instituição, que disponibiliza aconselhamento gratuito e anônimo por meio de voluntários treinados. 


Fonte: Canaltech