Quem é Rodrigo Pacheco, o novo presidente do Senado

  • Opa!
    Algo deu errado.
    Tente novamente mais tarde.
  • Opa!
    Algo deu errado.
    Tente novamente mais tarde.
  • Opa!
    Algo deu errado.
    Tente novamente mais tarde.
  • Opa!
    Algo deu errado.
    Tente novamente mais tarde.
·3 minuto de leitura
Neste artigo:
  • Opa!
    Algo deu errado.
    Tente novamente mais tarde.
  • Opa!
    Algo deu errado.
    Tente novamente mais tarde.
  • Opa!
    Algo deu errado.
    Tente novamente mais tarde.
  • Opa!
    Algo deu errado.
    Tente novamente mais tarde.
O senador Rodrigo Pacheco (DEM-MG)
Pacheco assume a presidência do Senado com apoio de Bolsonaro, Alcolumbre e até de partidos de esquerda

O senador Rodrigo Pacheco (DEM-MG) foi eleito nesta segunda (1/2) o novo presidente do Senado, substituindo David Alcolumbre (DEM-AP).

Pacheco obteve 57 votos, contra os 21 da senadora Simone Tebet (MDB-MS). Ele chega à liderança da Casa contando tanto com uma declaração pública de "simpatia" do presidente Jair Bolsonaro quanto com o apoio de partidos da oposição, como PT e PDT.

Teve também o apoio de Alcolumbre, que o apresentou como alguém que não criaria problemas para o Planalto e garantiu o apoio de Bolsonaro ao candidato. Pacheco já viajou bastante com o presidente: integrou a comitiva presidencial em viagens ao Japão, China, Emirados Árabes Unidos, Catar e Arábia Saudita.

No entanto o senador Humberto Costa, líder do PT no Senado, disse ao Uol que Pacheco não teria compromisso com os interesses de Bolsonaro nem pautaria medidas de cunho autoritário do governo.

Pacheco angariou até mesmo apoio dentro do MBD, partido que tinha a própria candidata à presidência do Senado, Simone Tebet (MDB-MS).

O senador Humberto Costa
O senador Humberto Costa, líder do PT no Senado, acredita que Pacheco não terá compromisso com os interesses de Bolsonaro e nem pautará medidas de cunho autoritário do governo.

Nascido em Rondônia, Pacheco fez carreira profissional e política em Minas Gerais, onde atuou como advogado e onde foi eleito deputado federal pelo MDB e depois senador pelo DEM.

Ao formalizar sua candidatura à presidência do Senado, Pacheco falou em "união" e disse que o Brasil precisa enfrentar as dificuldades trazidas pela pandemia.

Nesta segunda, disse à Globo News que a atuação legislativa deve "se pautar no trinômio saúde pública, crescimento econômico e desenvolvimento social". Pacheco já havia defendido, em entrevista ao jornal O Estado de S. Paulo, que se retomasse a discussão sobre a volta do auxílio emergencial ou sobre um aumento no Bolsa Família.

Foto com os senadores Marcos Rogério (DEM-RO); Carlos Viana (PSD-MG); Lucas Barreto (PSD-AP); Rodrigo Pacheco (DEM-MG); Davi Alcolumbre (DEM-AP); Flávio Bolsonaro (PSL-RJ).
O então presidente do Senado Davi Alcolumbre (o segundo da direita para a esquerda) apresentou Pacheco (ao centro) como alguém que não criaria problemas para o Planalto e garantiu o apoio de Bolsonaro ao candidato

Herdeiro do ramo de transportes

Em Minas, a família de Pacheco é dona de empresas no ramo de transporte rodoviários, das quais ele é herdeiro.

No ano passado, o ex-deputado Arnaldo Silva Júnior, próximo ao senador Pacheco e assessor de seu gabinete, se tornou o novo diretor da ANTT (Agência Nacional de Transportes), órgão regulador da área de transporte — e que tem como uma das atribuições fiscalizar empresas do ramo, incluindo as da família de Pacheco.

O Ministério da Infraestrutura e a Secretaria-Geral da Presidência da República fizeram a nomeação, que contraria a Lei das Agências Regulatórias — pela lei, políticos não podem ser indicados à diretoria de órgãos reguladores. Silva Júnior não tem experiência no setor de transporte, mas a Secretaria-Geral da Presidência afirmou que ele "preenchia os requisitos para o cargo".

Já assistiu aos nossos novos vídeos no YouTube? Inscreva-se no nosso canal!

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos