Quem é 'Zé Trovão, o líder caminhoneiro pró-Bolsonaro foragido da Justiça

·3 minuto de leitura

RIO — Conhecido como Zé Trovão, o líder caminhoneiro Marcos Antônio Pereira Gomes foi localizado pela Polícia Federal escondido em um hotel no México e deve ser preso nesta quinta-feira, para então ser transportado de volta ao Brasil. O youtuber paulista morava em Joinville (SC) e ganhou projeção entre bolsonaristas após produzir vídeos com ataques contra o Supremo Tribunal Federal (STF) e o ministro Alexandre de Moraes.

Zé Trovão teve a ordem de prisão decretada por Moraes, a pedido da Procuradoria-Geral da República (PGR), no inquérito que apura o financiamento e convocação de atos antidemocráticos. No dia 3 deste mês, o ministro decretou a prisão preventiva de Marcos Antônio.

O líder caminhoneiro já havia sido alvo de busca e apreensão no mês passado, em agosto, no mesmo inquérito.

No inquérito, Moraes frisa que “o artista, visando afrontar e intimar os poderes constituídos, noticia, conjuntamente com Zé Trovão e Eduardo Araújo, que seu grupo pretende para o país por 72 horas e que se o presidente do Senado Federal ‘não fizer nada’, nas outras 72 horas ‘ninguém anda[rá] no país. De acordo com o cantor “vai parar tudo. Não [….] só Brasília, […] o país. Assegura que ‘nada nunca foi igual ao que vai acontecer’ e, ao fim, desafia os ministros do Supremo Tribunal Federal: ‘Se eles não atenderem ao pedido, a cobra vai fumar’, asseverou, em tom de ameaça”, relata nos autos.

A PF confirmou em nota que a prisão preventiva dos acusados foi com "o objetivo de aprofundar investigações em curso nos autos de inquérito que tramita naquela Corte". O ministro chegou a determinar em agosto que Wellington Marcedo, blogueiro preso por ameaçar a corte, e Zé Trovão se comunicassem.

Apesar de terem sido proibidos de usar as redes sociais, Zé Trovão e Macedo participaram de uma transmissão de vídeo feita pelo blogueiro bolsonarista Oswaldo Eustáquio. Como mostrou O GLOBO, no vídeo, Zé Trovão continuou incitando a realização de atos contra o Supremo.

Mesmo com a voz de prisão emitida contra ele, o caminhoneiro ainda participou de uma transmissão ao vivo na noite desta sexta-feira ao lado da pastora Jane Silva e de Renato Gomes.

Na live, Macedo e Zé Trovão voltaram a convocar as pessoas para as manifestações de 7 de setembro. O caminhoneiro afirmou que participaria dos atos, embora estivesse proibido por decisão de Moraes. Ele chegou a desafiar a Polícia Federal a prendê-lo: “se prepara meu amigo, porque se quiserem me prender no dia 7 de setembro, vão me prender no meio do povo”. No sábado (4), depois da ordem de prisão, publicou vídeo provocando Moraes diretamente: “que tal você mesmo vir à Paulista no dia 7 de setembro e me prender?”.

O youtuber não chegou a postar imagens dele nos atos pró-governo desta terça-feira. Os investigadores da PF vinham rastreando o paradeiro de Zé Trovão desde a quarta-feira da semana passada, quando Moraes expediu uma ordem de prisão contra ele. Os policiais detectaram que ele havia deixado o Brasil antes da ordem de prisão, por meio de um voo para o México, e estava em um hotel na Cidade do México.

Mesmo foragido, Zé Trovão continuou gravando vídeos e incitando os atos do dia 7 de setembro. Nos últimos dias, ele pediu aos caminhoneiros que fechassem as rodovias, o que tem ocorrido desde ontem. Mais cedo, antes de ser preso, questionou a veracidade de um áudio do presidente pedindo que os caminhoneiros liberassem as rodovias.

Nesta quinta-feira, o próprio Zé Trovão divulgou um vídeo nas suas redes sociais afirmando que havia sido localizado e que iria se entregar para ser preso.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos