Quem é a mãe de Pelé, que tem 100 anos e mora em Santos

Atleta do século celebrou o aniversário de Dona Celeste em novembro

Pelé homenageou a mãe em novembro, quando Dona Celeste completou 100 anos. Foto: Reprodução/Instagram
Pelé homenageou a mãe em novembro, quando Dona Celeste completou 100 anos. Foto: Reprodução/Instagram

Muita gente ficou surpreso ao saber que a mãe de Pelé está viva. Dona Celeste acaba de completar 100 anos. Ela era casada com João Ramos do Nascimento, jogador de futebol mineiro com quem teve três filhos: María Lucia, Jair e Edson.

Edson entrou para a história como Pelé, o craque brasileiro que conquistou três Copas do Mundo, revolucionou o futebol e morreu nesta quinta-feira (29) em São Paulo.

Leia também:

Pouco se sabe sobre Celeste Arantes do Nascimento, a mulher que embalou os sonhos do filho quando ele ainda não havia sido eternizado como o Rei. No dia 20 de novembro, enquanto todos só pensavam na abertura da Copa do Mundo do Catar, Pelé comemorou o centenário da mãe.

"Desde pequeno ela me ensinou o valor do amor e da paz. Tenho mais de cem motivos para agradecer por ser seu filho. Compartilho essas fotos com muita emoção para comemorar este dia. Obrigado por cada dia pelo seu lado, mamãe", declarou o campeão mundial na Suécia 1958, Chile 1962 e México 1970.

Dona Celeste está longe dos holofotes em Santos e é cuidada por sua filha Maria Lúcia, que -após a morte de Pelé passou a ser a única filha viva.

Celeste casou-se com João Ramos do Nascimento, o Dondinho, como era conhecido. Foi um destacado jogador de futebol mineiro que chegou a jogar no Atlético Mineiro. Tiveram três filhos, criados entre Três Corações e São Lourenço. O do meio era Jair (1942), mais conhecido como Zoca.

Ela foi mãe de Pelé aos 18 anos, na cidade mineira de Três Corações, no dia 23 de outubro de 1940.

Este conteúdo não está disponível devido às suas preferências de privacidade.
Para vê-los, atualize suas configurações aqui.

Segundo a lenda, Dona Celeste foi quem recebeu uma visita importante na década de 1950. Waldemar de Brito, um caçador de talentos com passagem pela Copa do Mundo da Itália em 1934, a convenceu de que o pequeno Dico (primeiro apelido de sua infância) largaria o emprego em uma fábrica de calçados e ingressaria no Santos.

"Eu quero que você continue segurando minha saia", ela resistiu. Ela estava preocupada com a distância, quem cuidaria do filho. "E se ele ficar doente?" Promessas de cuidado a suavizaram: "Bem, você pode ir." Toda a cena foi reconstruída para o documentário O Rei Pelé (1962), no qual a própria Celeste se coloca no lugar de sua personagem.

Muitos anos depois, outro cortesão veio pedir sua ajuda. Em 1999, após ter ocupado o Ministério do Esporte no governo de Fernando Henrique Cardoso, o Rei queria chegar à presidência do Santos. José Fornos Rodrigues, seu assessor, dirigiu-se a Celeste.

"Eu disse a Dona Celeste que o filho dela estava sonhando. Ele tem que estar acima do bem e do mal, ser presidente não era para ele. Pelé às vezes sonha e eu o abaixo no chão, puxo a perna dele", lembrou.

Na ocasião, o astro homenageou a mãe. Ele deu seu nome a um dos gêmeos que teve com sua segunda esposa, Assíria Seixas Lemos. A mãe também retribuiu o carinho. Junto com seu irmão Jorge, só com sua memória conseguiram construir o museu Casa Pelé, uma réplica da casa natal do Rei em Três Corações, ambientada nos anos quarenta. A alguns quarteirões dali existe uma estátua de Dondinho e Pelé.

Nas fotos postadas pela família durante a internação no Hospital Albert Einstein, Dona Celeste não apareceu em nenhum momento já que segue reclusa na cidade de Santos.