Quem foi São Longuinho, o santo baixinho que 'ajuda' a encontrar coisas perdidas

São Longuinho, em trecho de ilustração grega antiga
São Longuinho, em trecho de ilustração grega antiga

Para quem fala português, parece até piada que um santo de nome Longuinho tenha sido um homem reconhecido como de baixa estatura. E com dificuldade de locomoção. É o que se acredita a respeito de São Longuinho, aquele para o qual a tradição popular dedica o ato de dar três pulinhos e — surpresa! — ele ajuda a se encontrar um objeto perdido.

Mas sua identidade, contudo, é bastante controversa. Longinus, seu nome latino, provavelmente seja uma referência à lança comprida que, segundo relatos bíblicos, o soldado romano teria utilizado para perfurar o peito de Jesus na cruz, para ter a certeza de que ele estava morto.

"São Longuinho é dos santos mais populares da Igreja, e sua devoção remonta aos tempos da igreja primitiva. O nome 'Longuinho' é um derivação de 'Longinus', termo latino que designa um tipo de lança romana", explica o escritor e teólogo J. Alves, pesquisador de histórias de santos.

"Existem poucos relatos históricos sobre a vida desse personagem, mas é interessante pensar em seu nome como, lendariamente, essa associação à lança", pontua o estudioso de hagiologias Thiago Maerki, pesquisador da Universidade Federal de São Paulo (Unifesp) e associado da Hagiography Society, dos Estados Unidos.

Segundo o Evangelho de João, os judeus não queriam que os corpos dos executados ficassem expostos na cruz durante o sábado, por conta da Páscoa. "Pilatos ordenou, então, que os soldados lhes quebrassem as pernas e os retirassem da cruz. Como Jesus já estava morto, um dos soldados abriu-lhe o lado com um golpe de lança", diz Alves.

"A tradição popular identifica São Longuinho como esse soldado romano, o centurião Cássio, que teria traspassado o lado de Jesus com a lança, de onde saiu sangue e água", completa o pesquisador Alves.

Nos evangelhos canônicos, não há menção ao nome do soldado. "Mas há uma referência a Longuinho no livro apócrifo dos Atos de Pilatos, que foi produzido por volta do século 6 ou 7 depois de Cristo", diz Maerki.

"Concretamente o que se sabe originalmente dele é o registro no Martirológio [o livro com o nome dos santos católicos]: 'Em Jerusalém, a comemoração de São Longino, venerado como o soldado que abriu com a lança o lado do Senhor pregado na cruz'", pontua José Luís Lira, fundador da Academia Brasileira de Hagiologia e professor na Universidade Estadual Vale do Acaraú, no Ceará.

Lira ressalta que a Bíblia, "o texto sagrado, não lhe atribui nome, nem seus feitos, mas a tradição o registra".

Na Legenda Áurea, conjunto de narrativas hagiográficas reunidas por volta de 1260 pelo arcebispo de Gênova, Jacopo de Varazze (1229-1298) há a menção de que Longuinho tenha sido "um dos centuriões que vigiavam a cruz do Senhor por ordem de Pilatos" e que teria sido ele "quem perfurou o flanco do Senhor com a lança, mas vendo os prodígios que então aconteceram" teria se convertido.

São Longuinho, em iconografia do século 17
São Longuinho, em iconografia do século 17

Depois da cruz

Pela tradição, quando o soldado acertou Jesus com a lança, o sangue teria espirrado nos olhos de Longuinho, curando-o de uma doença ocular que o deixava quase cego. "Dizem que isso se deveu ao fato de algumas gotas do sangue de Cristo terem escorrido pela lança e caído em seus olhos, até então turvados por doença ou por velhice, e que imediatamente passaram a ver com nitidez", diz Lira.

Segundo Alves, "diante desse fato miraculoso e vendo os acontecimento que sucederam com a morte de Jesus", o soldado se converteu, deixou o exército romano e teria fugido para a Capadócia, onde acabou sendo preso e martirizado.

Maerki analisa essa cura da cegueira como algo metafórico. "Significa que naquele momento, os olhos dele, físicos, carnais, se abriram para uma verdade de fé. Que ele conseguiu abrir seus olhos e enxergar por meio de uma fé cristã", comenta.

No livro apócrifo, a sina de Longuinho é narrada. "Ele teria sofrido uma perseguição muito grande por ter transpassado o corpo de Jesus, condenado a ficar em uma caverna onde, todas as noites, um leão aparecia e o despedaçava até o amanhecer. Depois, seu corpo se regenerava e ele voltava ao normal, em uma espécie de padrão que se repetiria até o fim dos tempos", narra Maerki. "É uma tradição lendária. São tradições construídas na Idade Média."

E é também lendária a narrativa sobre seu martírio. Acredita-se que Longuinho tenha feito um trabalho de evangelização na Capadócia e isso veio a incomodar os judeus ali assentados. "Autoridades então relataram o problema a sacerdotes de Jerusalém que, por sua vez, avisaram Pilatos [o governador romano que, pela tradição, teria sido o juiz da condenação de Jesus]. Longuinho teria sido então, condenado à morte por traição", diz Maerki.

Dois soldados foram então enviados para encontrá-lo, com a missão de trazerem para Pilatos a cabeça dele. Quando chegaram a Capadócia, foram pedir informações em uma casa. Era a casa do próprio Longuinho que, como não foi reconhecido, recebeu seus algozes e ofereceu hospedagem. Na hora da despedida, os encarregados da execução disseram que não teriam como agradecer por tamanha hospitalidade.

São Longuinho, em ilustração grega antiga
"São Longuinho é dos santos mais populares da Igreja", diz teólogo

"E ele teria revelado. Sou Longuinho, a quem vocês estão procurando. E estou pronto para morrer. O maior presente que vocês podem me dar é cumprir as ordens de quem os enviou", diz Maerki.

Outra versão é a que consta da Legenda Áurea. Conforme conta Lira, ali diz que Longuinho renunciou à carreira militar, foi instruído pelos apóstolos de Jesus e passou 28 anos de vida monástica em Cesareia da Capadócia — atual Caiseri, na Turquia. "Converteu muita gente à fé por sua palavra e seus exemplos", diz o pesquisador.

De acordo com essa versão, ele foi aprisionado e teve os dentes e a língua arrancados, mas mesmo assim conseguia seguir falando. E que quando ele foi condenado à morte, o governador que o sentenciava, estava cego. Longuinho teria dito que logo após a sua morte, ele intercederia pela sua cura de "corpo e alma". "No mesmo instante o governador mandou cortar sua cabeça. Imediatamente recuperou a vista e a saúde e até o fim da vida praticou boas obras", conta Lira.

Três pulinhos

Em um tempo em que não havia processos de canonizações como hoje, ele acabou se tornando santo por conta do martírio relatado. "A tradição uniu-se ao registro bíblico e isso facilitou seu reconhecimento num tempo em que não haviam beatificações, mas, canonizações diretas pelo registro das atas dos martírios que deu origem ao Martirológio", explica Lira. A oficialização de sua santidade foi feita pelo papa Silvestre 2o (950-1003) no ano de 999.

"Ele é daqueles santos mártires que viveram nos primórdios do cristianismo e deram testemunho da fé, derramando o próprio sangue em nome de Jesus", argumenta Alves. "O testemunho da radicalidade do Evangelho, que, em nome de Jesus, não teme a morte, como uma lança, afeta o coração do sistema político e religioso do Império Romano e, aos poucos, põe em questão o culto divino ao imperador. É nesse contexto sociopolítico e religioso de uma mudança de era, que devemos situar a vida de São Longuinho, que é tido, pela tradição popular, como testemunha ocular da crucifixão de Jesus."

"No Brasil, há essa camada interpretativa muito comum entre o povo mais simples que se tornou algo forte: os três pulinhos para São Longuinho", comenta Maerki.

E de onde vem a ideia de ele ser aquele que ajuda a encontrar objetos perdidos? Segundo Alves, tudo começou porque Longuinho era um soldado baixinho.

"Tal crença estaria relacionada à baixa estatura dele que, antes da conversão, servia a alta corte romana, durante os banquetes e festas. O fato de ser baixinho lhe permitia uma visão privilegiada dos objetos caídos ao chão, por baixo das mesas, os quais eram recolhidos por ele e entregues a seus donos", conta o pesquisador.

E há uma outra explicação, que é relacionada à sua própria canonização, formalizada quase mil anos após sua morte, pelo papa Silvestre 2o. (950-1003). "Parte da documentação do processo havia sido desviada e o papa teria pedido ajuda ao santo para encontrar tais documentos. Logo, tudo foi reencontrado", afirma Alves.

Ele relata também que há outra tradição que aponta que São Longuinho tinha dificuldade de locomoção. "Daí a origem dos três pulinhos. Lenda ou não, nada mais atual e necessitante do que a mensagem de São Longuinho, que intercede a Deus pelo resgate de nossa perdas físicas, morais e espirituais, sofridas tanto no âmbito individual e familiar como no âmbito social", diz Alves.

Há ainda uma outra curiosidade a respeito do personagem cristão, segundo uma vertente do espiritismo. No livro Brasil, Coração do Mundo, Pátria do Evangelho, publicado em 1938 pelo médium Chico Xavier (1910-2002) — em alegada psicografia atribuída ao jornalista e escritor Humberto de Campos (1886-1934) —, há a tese de que o imperador dom Pedro 2º (1825-1891) teria sido a reencarnação de São Longuinho.

- Este texto foi publicado em https://www.bbc.com/portuguese/geral-62904563

Sabia que a BBC está também no Telegram? Inscreva-se no canal.

Já assistiu aos nossos novos vídeos no YouTube? Inscreva-se no nosso canal!