'Quem tiver uma gota de sangue nordestino' não vota em Bolsonaro, diz Lula

Lula respondeu aos ataques e comentários preconceituosos feitos por Bolsonaro contra o povo nordestino. (Foto: JL ROSA/AFP via Getty Images)
Lula respondeu aos ataques e comentários preconceituosos feitos por Bolsonaro contra o povo nordestino. (Foto: JL ROSA/AFP via Getty Images)

O ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) respondeu ao presidente Jair Bolsonaro (PL), seu adversário de segundo turno na disputa presidencial, sobre as declarações feitas pelo atual mandatário contra o povo nordestino.

Em transmissão ao vivo, Bolsonaro associou a vitória do petista no Nordeste aos índices de analfabetismo na região.

“Lula venceu em 9 dos 10 estados com maior taxa de analfabetismo. Você sabe quais são esses estados? No nosso Nordeste. Não é só taxa de analfabetismo alta ou mais grave nesses estados. Outros dados econômicos agora também são inferiores na região", disse.

Nesta quinta-feira (6), Lula declarou que pessoas analfabetas não o são por vontade própria, mas por falta de ações do governo e afirmou que nordestinos devem ‘dar uma lição’ em Bolsonaro e não votar nele no segundo turno.

“Ontem o meu adversário disse que eu só ganhei as eleições dele porque o povo nordestino é analfabeto”, disse. “As pessoas que são analfabetas não são analfabetas por sua responsabilidade. As pessoas que estão analfabetas ficaram porque esse país nunca teve um governo que se preocupasse com a educação”, acrescentou.

Na sequência, o ex-presidente lista cidades de São Paulo que tiveram universidades após os governos petistas: “A cidade de São Bernardo do Campo, a cidade de Santo André nunca tiveram direito de ter uma universidade federal. Foi um metalúrgico quase que analfabeto, que trouxe a universidade pra cá”, complementou.

Natural de Pernambuco, o candidato lembrou sobre o uso da mão de obra de pessoas nordestinas no País.

“Ele tem que saber que nós nordestinos ajudamos a construir cada metro de asfalto desse país. Cada ponte, cada casa”.

Por fim, pede a quem tenha parentes ou pertença a região, que não vote no adversário. Além disso, fez uma série de acusações contra pessoas ligadas ao atual presidente, lembrando o caso da rachadinha nos gabinetes dos filhos de Bolsonaro e até a morte da vereadora do Rio de Janeiro, Marielle Franco.

“Quem tiver uma gota de sangue nordestino não pode votar nesse negacionista monstro que governa esse país. Ele tem que aprender uma lição. Ele que vá pegar os votos dos milicianos daqueles que mataram Marielle. ele que vá pegar o voto daqueles que são responsáveis pela morte de milhares de pessoas pela pandemia. Ele que vá pegar o voto da quadrilha chefiada pelo Queiroz que ele guardou até agora. Ele que vá pedir voto para aqueles que estão organizando a rachadinha dos seus filhos na assembleia legislativa do do Rio de Janeiro”, completou Lula.

O discurso ocorreu em São Bernardo do Campo, no Sindicato dos Metalúrgicos, onde o petista começou a trajetória política ao liderar o movimento grevista do fim da década de 1970 e começo de 1980.