Quentin Tarantino é processado por NFT de "Pulp Fiction"

  • Opa!
    Algo deu errado.
    Tente novamente mais tarde.
·2 min de leitura
Neste artigo:
  • Opa!
    Algo deu errado.
    Tente novamente mais tarde.
Quentin Tarantino gestures at the red carpet as he arrives at the 16th Rome Film Fest, in Rome, Italy, October 19, 2021. REUTERS/Guglielmo Mangiapane
Quentin Tarantino gestures at the red carpet as he arrives at the 16th Rome Film Fest, in Rome, Italy, October 19, 2021. REUTERS/Guglielmo Mangiapane
  • Miramax, empresa que produziu o filme, processou Tarantino, alegando que possui direitos;

  • Tarantino prometeu vender "cenas exclusivas" do filme em NFTs;

  • Produtora alega quebra de contrato, competição injusta e infração à marca;

O diretor cinematográfico Quentin Tarantino anunciou, no início deste mês, que venderia um token não fungível (NFT, em inglês), contendo cenas inéditas e conteúdos “secretos” sobre o filme “Pulp Fiction: Tempo de Violência”. O longa-metragem foi lançado em 1994 e rendeu ao diretor o Oscar de Melhor Roteiro Original. O lançamento trouxe reações: segundo a revista Variety, a Miramax, que produziu “Pulp Fiction” e outros filmes, entrou com um processo contra o diretor, alegando que possui os direitos sobre o filme.

Leia também:

A companhia de entretenimento alegou que Tarantino “manteve seus planos para o NFT de ‘Pulp Fiction’ em segredo da Miramax” e ignorou uma ordem de “não fazer” relacionada à venda. A Miramax também disse no processo que o diretor declarou que seus direitos reservados o autorizavam a dar sequência aos planos do NFT, de acordo com informações da agência Reuters. 

Miramax alega que venda de NFTs seria quebra de contrato

A venda planejada de Tarantino para dezembro de sete NFTs de "cenas exclusivas" do filme sem a permissão da Miramax quebra um contrato e infringe as marcas registradas do estúdio e os direitos autorais do filme, de acordo com a denúncia apresentada no tribunal federal de Los Angeles. No processo registrado na última terça-feira (16), a produtora declarou que houve quebra de contrato, competição injusta e infração à marca.

A Miramax financiou e distribuiu o clássico filme de Tarantino em 1994. O estúdio alega que seu contrato com Tarantino dava a empresa todos os direitos de "Pulp Fiction", exceto aqueles específicos reservados para o diretor, incluindo direitos sobre sua trilha sonora, potenciais spinoffs ou sequências e publicações impressas.

De acordo com o processo, Tarantino "não fez esforços para contatar a Miramax antes de sua campanha de imprensa coordenada, apesar de ter o que provavelmente foram negociações extensas com terceiros para desenvolver e vender os NFTs". A Miramax disse que enviou ao diretor uma carta de cessar e desistir dois dias após o anúncio, mas seu advogado respondeu que os leilões estavam dentro de seus direitos de publicação sob o acordo. A reclamação disse que Tarantino expandiu a venda para incluir adereços e imagens de personagens do filme.

NFTs são ativos digitais intransferíveis gravados em blockchain que dão a seus proprietários direitos exclusivos sobre um conteúdo específico. Segundo a agência Reuters, a denúncia disse que o provedor de blockchain Secret Network anunciou no início deste mês que Tarantino leiloaria NFTs de sete "cenas de Pulp Fiction não cortadas" com "segredos até então desconhecidos" e conteúdo exclusivo, incluindo os primeiros roteiros escritos à mão do filme e novos comentários do diretor.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos