'Quero fazer parte da história': britânicos madrugam para se despedir de Elizabeth II

Centenas de britânicos se levantaram de madrugada nesta segunda-feira (19) para comparecer ao funeral da rainha Elizabeth II, "um pedaço da História", e buscar os melhores lugares para ver a passagem do caixão pelo centro de Londres.

Apesar da temperatura fria da manhã na capital britânica, o público já estava lotado em torno do Palácio de Buckingham e da Abadia de Westminster antes das 07h00 (03h00 no horário de Brasília), onde a cerimônia religiosa começou às 11h00.

"A cerimônia foi perfeita, (...) muito espetacular, como merece uma grande rainha", comentou John MacKinnon, um corretor de seguros de 49 anos. "Agora vou tomar uma cerveja com meus amigos e dedicar um brinde" à rainha.

"Eu queria fazer parte [do evento]. É um grande dia da nossa história, isso faz parte de nossas vidas", disse à AFP Susan Davies, 53 anos, que chegou às 6h30 no Hyde Park Corner, vinda de Essex, ao leste de Londres, com o marido e dois filhos adolescentes.

A mulher, equipada com uma cadeira e "muita comida", espera poder ver o caixão da rainha que, deste local próximo ao Palácio de Buckingham, será transportado em um carro fúnebre para sua última morada, o Castelo de Windsor.

"Eu quero fazer parte da História", afirma Jack, seu filho de 14 anos, que deseja explicar o evento às futuras gerações. "Falarei deste momento com meus filhos. Direi a eles: Estava lá!".

Um pouco depois na fila, Calon Thompson, um estudante de cinema de 20 anos e morador de Bedford (norte de Londres), espera assistir ao funeral ao vivo com seu celular, já que queria ver a passagem "do caixão e da família real". Ele chegou às 06h00 da manhã.

"Queríamos estar na primeira fila. Pensávamos que estaríamos em meio à multidão, mas estamos aqui, no melhor lugar, com a melhor vista. Fantástico!", afirmou, descrevendo uma atmosfera "muito emocionante, mas também triste".

Os primeiros metros a partir das estações mais próximas estão lotados. Algumas pessoas passaram a noite. Muitos sacos de dormir são vistos no chão em Whitehall, uma avenida central de Londres que recebe regularmente ministros e funcionários de alto escalão.

Bethany Beardmore, contadora de 26 anos, chegou às 21h00 de domingo para não perder "uma parte da História". "Fazia frio, nós não dormimos", mas "havia um clima agradável, todo mundo conversava", explica o homem, que aguentou a fila graças ao açúcar e à cafeína.

Jovens e idosos aguardam com paciência. Os mais bem preparados tomam café. Os melhores lugares já estão ocupados para ver o cortejo fúnebre.

bur-ode/tjc/zm/aa