Questões 'polêmicas' ficaram de fora do Enem 2019, diz Inep

Primeira fase do Enem acontece neste domingo (Foto: Divulgação)

RESUMO DA NOTÍCIA

  • Primeira fase do Enem 2019 acontece neste domingo (3)

  • Inep criou comissão externa para analisar questões da prova

Acontece no próximo domingo (3) a primeira fase do Enem (Exame Nacional do Ensino Médio). A data marca também a estreia de Jair Bolsonaro (PSL) na condução da prova, que durante a campanha eleitoral foi criticada pelo então candidato por seu “conteúdo ideológico”. Ao portal G1, o órgão responsável pela elaboração do exame afirmou que recebeu recomendação expressa para que as questões mais polêmicas não entrem na avaliação.

Em preparação para a prova deste ano, o Inep (Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira), órgão ligado ao Ministério da Educação, criou uma comissão externa para analisar as questões que poderiam integrar o Enem. Essas perguntas ficam armazenadas no Banco Nacional de Itens (BNI), e não podem ser apagadas porque são consideradas um bem público.

"Os itens não foram excluídos do Banco Nacional de Itens, sendo apenas não recomendados para a montagem da edição 2019 do Enem", explicou o Inep via Lei de Acesso à Informação.

Leia também

Os três membros da comissão passaram cerca de duas semanas estudando o conteúdo do BNI. As questões julgadas inadequadas foram isoladas e não serão usadas na prova deste ano, mas ainda podem ser aproveitadas em edições futuras.

Questionado sobre o objetivo da comissão, o órgão afirmou que os membros foram orientados a analisar as questões para "verificar a sua pertinência com a realidade social, de modo a assegurar um perfil consensual do exame".

Os membros da comissão foram indicados pelo então ministro da Educação Ricardo Vélez Rodriguez e pelo presidente do Inep, Marcus Vinícius Rodrigues. De acordo com o Inep, eles procuraram "perfis de profissionais com experiência em docência e com formação acadêmica stricto sensu na área de ciências humanas".