Quinto lote da vacina CoronaVac, com 500 mil doses, chega a São Paulo

Giuliana de Toledo
·2 minuto de leitura

SÃO PAULO - O quinto lote da vacina CoronaVac, com 500 mil doses, chegou a São Paulo nesta segunda-feira (28). A carga foi recebida no aeroporto de Guarulhos no final da manhã, por volta das 11h30, e encaminhada ao Instituto Butantan.

O meio milhão de doses desembarcado, após uma viagem que começou em Pequim, na China, e fez escala na Turquia, é composto de imunizantes já prontos para a aplicação.

Para esta semana também está prevista a entrega de mais 1,5 milhão de doses. Esse sexto lote é esperado para quarta-feira (30). Com essa quantidade, somadas as cargas anteriores, o ano de 2020 fechará, segundo o Governo do Estado de São Paulo, com aproximadamente 11 milhões de doses da Coronavac já armazenados no Brasil.

"Chegamos ao fim de 2020 com aproximadamente 11 milhões de vacinas em solo nacional, garantindo o compromisso do Butantan em viabilizar o imunizante para a população brasileira para que, assim que registrar pela Agência Nacional de Vigilância Sanitária, possa ser iniciada a vacinação”, afirmou Dimas Covas, diretor do Instituto Butantan, em comunicado à imprensa.

Etapas

A vacina da farmacêutica chinesa Sinovac Biotech começou a chegar ao país em 19 de novembro, com um lote inicial de 120 mil doses. Na segunda remessa, em 3 de dezembro, foram entregues 600 litros do insumo, que, ao serem preparados pelo Instituto Butantan, devem resultar em 1 milhão de doses. O terceiro carregamento foi feito em 18 de dezembro, acrescentando 2 milhões de doses.

Já o quarto, no dia 24, foi o maior de todos: dele devem render 5,5 milhões de doses (2,1 milhões entregues prontas e as outras 3,4 milhões envasadas no Butantan a partir de 2,1 mil litros de insumos que chegaram naquele dia).

Eficácia

A eficácia da Coronavac ainda não é conhecida. O Instituto Butantan afirmou, na última quarta (23), que a vacina tem eficácia superior ao mínimo recomendado pela OMS (Organização Mundial de Saúde), que é de 50%, mas não detalhou a porcentagem. A revelação dos resultados já foi esperada e adiada em diferentes ocasiões nas últimas semanas.

Segundo o Butantan, os dados da fase 3 dos testes clínicos feitos no Brasil, envolvendo 16 centros de pesquisa e 13 mil voluntários, estão sendo comparados a pesquisas de outros países com a Coronavac. Pela previsão, esse processo deve ser encerrado no começo de janeiro e então encaminhado à Anvisa (Agência Nacional de Vigilância Sanitária) o seu pedido de aprovação.