Quiosque da Barra da Tijuca tem aglomeração de clientes em fim de semana de flexibilização no Rio

·4 minuto de leitura
Quiosque na Barra da Tijuca tem clientes aglomerados

Se a temperatura amena neste sábado não foi o suficiente para afastar banhistas das praias do Rio, também não dispersou os clientes de um quiosque na Barra da Tijuca, Zona Oeste da cidade, que se aglomeraram para curtir o dia. Em posts nas redes sociais, frequentadores compartilhavam a experiência. Nas imagens é possível ver pessoas muito próximas umas das outras sem estarem de máscaras.

No Krabi Beach Club, onde foram feitos os registros, o sócio Daniel Blanck conta ter seguido as regras para a retomada do empreendimento à risca. No entanto, a situação tem fugido do controle no acesso ao redor do quiosque pelas areias. O empresário conta que aumentou o número de seguranças e diminuiu a quantidade de lugares disponíveis, com a retirada de cadeiras e mesas. As medidas não têm, porém, evitado os grupos perto uns dos outros.

Leia também

No momento, conta Blanck, a estratégia é repensar a organização e a abordagem no espaço. Sem poder manter por mais tempo a porta fechada, a equipe tem observado erros e acertos a cada semana, conta:

— Estamos trabalhando com 40% da capacidade, nós podemos controle de segurança na entrada de pessoas. Mas o que não conseguimos controlar hoje, é a entrada pela areia. Estamos limitando o número de pessoas a quatro por mesa e seis se forem da mesma família. Só que as pessoas ficam em pé. Ontem, quando deu 18h30, 19h, a gente fechou. Até para preservar as medidas, nós preferimos fechar.Quando a gente vai ver, tem oito em pé. Avisamos que não pode fazer isso no quiosque, então eles vão para a faixa de areia.

Assim como a polêmica ocupação das calçadas nas frentes de bares e restaurantes por consumidores desrespeitando as regras da flexibilização, os quiosques têm tido dificuldade em controlar seu entorno. Pela falta de uma área totalmente cercada, impedir o acesso de quem vem da areia, por exemplo, tem se mostrado desafiador. Nem o reforço na segurança tem surtido efeito.

— Ao mesmo tempo em que todo mundo precisa trabalhar, nós ficamos quatro meses sem funcionar, a gente não pode prejudicar outras pessoas. Nós vemos o movimento e adotamos medidas. Na semana passada, mandei tirar mesas e cadeiras. Nesta, falei para colocar seguranças a mais e fechamos mais cedo. Cada semana tentamos adotar medidas que vimos que não foram eficaz — afirma Daniel Blanck.

Já sobre o uso da máscara, o sócio do quiosque afirma que a entrada no espaço só é liberada com o item de proteção individual. O uso constante fora de momentos de consumo não tem se concretizado, conta:

— A partir do momento que você tem permissão para ir a um bar ou restaurante, você não vai virar a cerveja ou dar um gole e colocar a máscara.

A Secretaria municipal de Ordem Pública e a Vigilância Sanitária não responderam até esta publicação sobre a fiscalização em quiosques e o episódio de aglomeração.

Nova fase de flexibilização

Desde o sábado, o Rio está na fase 5 de flexibilização, permitindo mais atividades e serviços. No entanto, tudo segue com restrições para serem adaptadas ao momento de pandemia da Covid-19. Entre as novidades deste fim de semana, banho de mar permitido e a volta das ambulantes à orla. Veja aqui a relação completa do que muda.

Ambientes abertos:

Permitido o banho de mar, mas proibida a permanência na areia com cadeiras, cangas, guarda-sóis e caixas/ bolsas térmicas e a prática de quaisquer atividades não autorizadas

Praças e parques abertos, vedados aglomeração e atividades de entretenimento.

Esportes coletivos (de segunda a sexta) em quadras nas praias e lagoas, vedadas as atividades de entretenimento.

Vilas olímpicas abertas.

Prática de lutas e artes marciais sem contato físico.

Vias públicas abertas para o funcionamento das áreas de lazer.

Aulas de voo livre autorizadas

Feiras de adoção de animais abertas

Turismo:

Piscinas e saunas abertas nos hotéis e hostels.

Pontos turísticos (por exemplo: Corcovado, Pão de Açúcar, aquário, roda gigante, zoológico) abertos com capacidade simultânea máxima de 50%, desde que não ultrapasse a regra de 4m² por pessoa.

Ambulantes:

Permitidos ambulantes de parques e praças mantendo-se o distanciamento de 2 metros entre os equipamentos/barracas

Permitido o trabalho de ambulantes de praia com ponto fixo ou itinerantes. Horário de funcionamento entre 07h e 18h.

Nas praias, somente permitida a venda de alimentos industrializados e proibida a venda de bebidas alcoólicas manipuladas ou industrializadas.

Proibido o aluguel de cadeiras e guarda sóis na orla

Este conteúdo não está disponível devido às suas preferências de privacidade.
Para vê-los, atualize suas configurações aqui.
Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos