Quiosque instala cobertura de madeira sobre grades de proteção sem manutenção

Aline Macedo
·2 minuto de leitura

Quem chegar à Praia de São Conrado pela parte da Ciclovia Tim Maia ainda aberta, vindo do Leblon, vai se deparar com uma novidade nas grades de proteção instaladas para evitar que alguém despenque da calçada na areia. No feriado do Dia da Consciência Negra, a decadente estrutura de ferro, desgastada pela ação do tempo e da maresia, ganhou uma capa externa de madeira, construída a partir de pallets de madeira.

O momento da instalação foi capturado pelo administrador de imóveis Jorge Kadinho, morador da Rocinha. O GLOBO conversou com o ativista por melhorias na região, que relatou sua frustração com a falta de conservação da área.

— A gente tem um problema notório de abandono em São Conrado. Então cada um vai tomando suas ações para cuidar da cidade — diz.

Segundo Kadinho, a iniciativa de usar madeira para reforçar a segurança partiu do primeiro quiosque da orla, o Sanka Lounge. A reportagem não conseguiu contato com a administração.

— Quando passei por lá hoje, parecia até que tinha virado ponto turístico. As pessoas estão tão acostumadas com tudo estar abandonado, que qualquer mudança causa espanto — conta.

O trecho também apresenta problemas na rampa de acesso à praia: há muitas falhas no calçamento, feito com pedras vermelhas:

— Por causa da trepidação da ressaca, os blocos foram se soltando. Nós, os moradores, fazemos um trabalho de formiguinha juntando as peças que se desprenderam para o descarte poder ser feito. Mas a prefeitura precisa cuidar do reparo e da reposição — cobra ele.

O presidente da Associação de Moradores de São Conrado (Amasco), José Britz, não soube dizer se há pedidos oficiais de manutenção ao poder público, mas garantiu que vai enviar um fotógrafo ao local na segunda-feira para registrar as condições do local.

— A cidade está totalmente largada. Temos feito uma enxurrada de ofícios, pedindo obras de conservação — afirma.

Em nota, a Subsecretaria de Conservação afirmou que "vai enviar uma equipe, na próxima semana, para vistoriar o local, fazer o levantamento das necessidades e encaminhar à Secretaria de Meio Ambiente, responsável pela orla, para apreciação e decisão de quais ações serão tomadas".