Rádio Vaticano, a voz do papa no mundo, festeja 90 anos

Catherine MARCIANO
·3 minuto de leitura

A voz do papa no mundo em 41 línguas, a Rádio Vaticano, comemora nesta sexta-feira (12) seu 90º aniversário desde que o engenheiro Guillermo Marconi a projetou e construiu a pedido do pontífice Pio XI.

"Queridos irmãos, feliz aniversário e obrigado pelo vosso trabalho, que chega a lugares remotos, avançando com coragem e criatividade para falar ao mundo", escreveu o papa Francisco numa mensagem nesta sexta.

Com 350 funcionários de 69 nacionalidades, a emissora se transformou ao longo de sua história e faz transmissões via satélite desde 1995, também pela internet e até em ondas curtas hertzianas para algumas regiões.

Chega aos cantos do mundo graças às suas transmissões em línguas como árabe, bielorrusso, chinês, latim, hindi, malgaxe, somali, ewondo, kikongo, tâmil.

O missionário Luigi Maccalli, libertado em outubro no Mali depois de dois anos sequestrado por jihadistas, contou a emoção que sentiu ao poder ouvir a missa de Pentecostes em 2020 graças a um rádio que lhe deram.

"É uma ponte entre a Igreja universal e as igrejas locais, serve de união, por exemplo, para a diáspora armênia, de cerca de 10 milhões de pessoas", disse à AFP Robert Attarian, responsável pelo serviço armênio da Radio Vaticano.

Os programas em português são usados por 400 emissoras brasileiras e chegam a outros oito países, entre eles Angola e Moçambique.

- O latim, idioma da Igreja -

Famosa por seu lema em latim "Laudetur Iesus Christus" (Louvado seja Jesus Cristo!), Pio XI encomendou a criação da estação ao famoso engenheiro italiano Marconi, entre os inventores do rádio e da telegrafia, e a inaugurou em 12 de fevereiro de 1931 com um discurso em latim.

Em 24 de dezembro de 1942, enquanto o nazismo e o fascismo devastavam o velho continente, o papa Pio XII dirigiu uma mensagem histórica radiofônica a centenas de milhares de pessoas que "sem culpa própria, e pela única razão de sua nacionalidade ou raça, foram condenadas à morte ou extermínio progressivo".

Essa mensagem de Natal, transmitida em italiano, na qual ele não usou as palavras judeus ou nazistas, não foi ouvida na Alemanha, segundo os historiadores, porque os nazistas bloquearam as ondas de rádio.

Em 1957 inauguraram o centro transmissor de Santa Maria di Galeria, uma cidade a noroeste de Roma, onde surgiu aquela que foi considerada por anos a antena mais poderosa do mundo.

Administrada historicamente pelos jesuítas, a emissora olha para o futuro através do Vaticano News, o atual site do Vaticano, a parte mais visível de uma grande reforma das comunicações do Vaticano, dotada de seu próprio "ministério" liderado por um leigo.

- "Rádios web" -

Por ocasião do seu aniversário, a Rádio Vaticano lançou suas primeiras "rádios web" em italiano, francês, inglês, espanhol, português, alemão e armênio.

Desde esta sexta-feira, o armênio tem seu próprio canal na internet, o embrião de uma emissora alimentada por 19 minutos de informações em armênio, com podcasts, missas em latim e música.

"É uma plataforma que vamos desenvolver, pedindo a colaboração das igrejas locais no futuro”, explica Robert Attarian.

O brasileiro Silvonei Protz, diretor de uma equipe editorial de dez pessoas que produz duas horas e meia de programação diária, está encantado com a ideia.

Com uma estação dedicada à língua portuguesa, "já não é preciso esperar para dar informações importantes", afirma.

A Rádio Vaticano pretende adquirir 35 rádios linguísticas para "ouvi-las no celular", sublinhou o francês Jean-Charles Putzolu, da equipe de redação.

"O rádio tem futuro, é um meio que atinge a todos", gaba-se, lembrando como um colega que fala inglês foi aclamado como estrela por ouvintes em um campo de refugiados que visitou em Uganda.

cm-kv/tjc/mr