Réu por nazismo e terrorismo, jovem de Tramandaí (RS) é investigado por pedofilia após perícia em computador

A Polícia Civil do Rio Grande do Sul abriu um inquérito para investigar as imagens pornográficas envolvendo menores de idade encontradas durante uma perícia no computador de Israel Fraga Soares, réu por terrorismo e acusado de fazer ameaças a políticos e apologia ao nazismo. Procurada pelo GLOBO, a defesa do jovem de 22 anos disse que não tomou ainda conhecimento da nova investigação.

Lembre: Homem que se filmou com capacete nazista nega ser nazista, mas confirma à polícia que admira Hitler

Rio Grande do Sul: Polícia Civil abre inquérito para investigar 15 pessoas por apologia ao nazismo

O advogado Rafael Patzinger, que defende Israel, afirma que o seu cliente foi diagnosticado com autismo e Transtorno Obsessivo Compulsivo. Segundo a Polícia Civil, o jovem deverá ser ouvido nos próximos dias.

Israel foi alvo de um mandado de busca e apreensão em setembro do ano passado, após um vídeo em que fazia uma saudação nazista com um capacete repercurtir nas redes. Na época, em depoimento, ele negou ser nazista, mas admitiu admirar Adolf Hitler. Em sua residência em Tramandaí foram apreendidos HDs, celular, computador, rádios comunicadores, pendrives, canivete, nunchaku, cartão de memórias, capacete, touca, entre outros itens.

A investigação conduzida pela delegada Andrea Mattos, titular da Delegacia de Combate à Intolerância de Porto Alegre, concluiu que o jovem incorreu no crime de terrorismo, em decorrência de episódios de apologia ao nazismo e ameaças a políticos. O vereador de Porto Alegre Leonel Radde (PT) e a vereadora de Niterói Benny Briolly (PSOL) estão entre os que foram alvo de Israel, segundo a polícia.

Preso em janeiro, o homem se encontra no momento na Penitenciária de Osório, e o seu advogado de defesa Rafael Petzinger busca um habeas corpus para que ele responda a acusação de terrorrismo em liberdade. Uma perícia feito junto ao Instituto Psiquiátrico Forense atestou que Israel Soares era relativamente incapaz de entender os crimes cometidos, devido ser portador de autismo e Transtorno Obsessivo Compulsivo, segundo a defesa.

Adquirir, possuir ou armazenar, por qualquer meio registro de cena de sexo explícito ou pornográfica envolvendo menores de idade e é crime, com condenação de um a quatro anos de prisão.