Réveillon 2023: responsável pela queima de fogos explica motivo da fumaça durante a virada

Durante os 12 minutos de queima de fogos para celebrar a chegada de 2023, na orla de Copacabana, a fumaça chamou a atenção do público. Embora não fizesse parte do espetáculo, ela comprometeu a visibilidade do show de luzes ao final da apresentação.

O designer Marcelo Andrade, proprietário da empresa de fogos e um dos responsáveis pela queima, explicou que a umidade de ar impede que a fumaça se dissipe.

— Quando temos uma unidade do ar relativamente alta e sem vento, isto acontece. Com umidade e sem vento, o cenário para o espetáculo fica prejudicado — ressalta Marcelo, destacando que, na hora da queima, a umidade estava em 95%.

Outra crítica de algumas pessoas que estavam na orla foi o sistema de som.

— Chegamos cedo para acompanhar os shows e o som só melhorou no show de Alexandre Pires. Escolhemos ficar perto da torre de som, e não dá para acompanhar bem os shows — contou Juliana, que acompanha a festa na altura da Rua Duvivier.

O som que vem direto do palco é o que se escuta da areia, com a sensação de que só o som dos instrumentos sai da torre de som posicionada na Avenida Atlântica.

Na orla de Copacabana, vários palcos dividiram a responsabilidade de entreter mais de 2 milhões de pessoas que foram assistir à queima de fogos na praia. Os dados são da Riotur, que informou, também, que a cidade recebeu um total de 3 milhões de turistas para o réveillon.