Réveillon 2023: tudo pronto para a festa da virada em Copacabana; confira

Réveillon 2023: Mesmo com chuva, festa deve ter grande público para ver atrações como Zeca Pagodinho - Foto: Getty Images
Réveillon 2023: Mesmo com chuva, festa deve ter grande público para ver atrações como Zeca Pagodinho - Foto: Getty Images

Além dos shows e dos 12 minutos de fogos, Copacabana promete marcar um golaço no último minuto do segundo tempo de 2022: antes da contagem regressiva para o novo ano, imagens de Pelé serão projetadas nos telões espalhados pela areia. O craque, que morreu anteontem, será lembrado ainda na apresentação da bateria da Acadêmicos do Grande Rio no palco principal, em frente ao Hotel Copacabana Palace, já depois da meia-noite. Os ritmistas vão escalar o samba-enredo sobre a cidade de Santos, de 2016, no qual o Rei é citado.

— Estamos conversando com a empresa que administra os direitos autoriais de Pelé. A ideia é ter um vídeo de cerca de um minuto. Lembraremos bons momentos do Rei, numa homenagem “para cima” — contou Abel Gomes, responsável pela produção da festa.

Mesmo com a chuva persistente que deve continuar hoje, Zeca Pagodinho, a principal atração musical da noite, está empolgado para comemorar o ano-novo no palco em Copacabana pela terceira vez. Ele diz, porém, que agora o clima é diferente. Afinal, foram dois anos de restrições impostas pela pandemia de Covid-19, que cancelaram os shows de réveillon no Rio. Em 2020, Copacabana ficou deserta e, no ano passado, teve apenas queima de fogos para um público reduzido.

— Já pensava em entrar de férias quando fui convidado. Não tive dúvida. Copacabana é Copacabana. Será o show mais feliz da minha vida. As férias ficam para depois. Se é que vão mesmo me deixar tirar (férias) — brincou o cantor, que pretende levar a família para acompanhar a festa dos bastidores.

Em Copacabana, Zeca vai apresentar o show “Mais feliz”, com base no 24º álbum de sua carreira. Ele promete fazer o público dançar e cantar canções conhecidas, como “Coração em Desalinho”, “Vai Vadiar”, “Deixa a Vida Me Levar” e “Verdade”. Em seguida, o artista passa a bola para a bateria da Grande Rio, que em fevereiro vai levar para a Marquês de Sapucaí um enredo sobre o cantor na busca pelo bicampeonato.

Além de Pelé, artistas que morreram este ano serão homenageados na festa de Copacabana. Trechos de músicas de Gal Costa, Erasmo Carlos e Elza Soares vão ser incluídos na trilha sonora criada para acompanhar a queima de fogos, que deve ser mais silenciosa este ano.

— O Rio está pronto, e Copacabana será o centro da festa no réveillon mais épico de todos. Após o pior momento da pandemia, temos que celebrar com muita intensidade — disse o prefeito Eduardo Paes, ao visitar ontem o palco principal.

A festa, de acordo com a prefeitura, deve levar dois milhões de pessoas a Copacabana. O público estará sendo observado por meio de 250 câmeras — quatro delas no alto de hotéis da orla. Os equipamentos vão transmitir imagens para o Centro de Operações Rio (COR), que inaugura hoje a primeira fase de sua expansão. As cenas serão exibidas agora em 125 monitores — antes, eram 75 — de 55 polegadas. Dois drones também serão usados.

O monitoramento acontecerá em outros pontos de festa da cidade. Além de Copacabana, haverá queima de fogos no Flamengo e na Igreja da Penha. E empresários vão bancar shows pirotécnicos no alto de 12 hotéis da Barra da Tijuca e do Recreio dos Bandeirantes. A cidade terá palcos em outros oito bairros.

Em Copacabana, as explosões serão no mar. Vão ser disparadas 20 toneladas de fogos de dez balsas, que já estarão posicionada a 450 metros da areia na manhã de hoje. A previsão era que elas saíssem rebocadas da Ilha do Fundão, onde foram montadas, às 22h de ontem.

O deslocamento foi antecipado a pedido da Capitania dos Portos, para evitar o tráfego marítimo. Na manhã de ontem, representantes da Capitania e do Corpo de Bombeiros liberaram as embarcações após vistoria. A Divisão de Fiscalização de Armas e Explosivos da Polícia Civil também deram ok para os fogos de artifício.

O espetáculo pirotécnico promete emocionar o público que estará na areias, nas janelas dos prédios e no mar. Ao todo, 15 mil hóspedes de quatro transatlânticos vão estar ancorados em Copacabana à meia-noite para assistir ao show de camarote.

— O Rio é a cereja do bolo, o ponto alto de qualquer viagem — frisou Alexander da Silva, de Piracicaba (SP), que chegou ontem de manhã à cidade com a mulher e a filha no MSC Preziosa, um dos navios que aportaram na Praça Mauá.

E não teve tempo ruim para quem desembarcou num clima de garoa. Os pontos turísticos ficaram movimentados. Não tinha quem não visse a beleza do Cristo Redentor, mesmo encoberto pela neblina.

— Se o Cristo não quer aparecer, eu mesma vou tirar foto com os braços abertos — avisou Ana Paula Correia, de Belo Horizonte, enquanto posava ao lado da filha Amanda, de 16 anos.

A retomada do turismo graças ao controle maior dos casos de Covid-19 também permitiu que sonhos adiados fossem, enfim, realizados.

— A viagem estava comprada para o réveillon do ano passado, mas a pandemia atrapalhou — explicou Edson da Silva, que faz seu terceiro cruzeiro, mas o primeiro para o Rio.

Se o ânimo de quem chega não arrefeceu, a chuva pode frustar o otimismo de alcançar 100% de ocupação da rede hoteleira. O HotéisRio mantém a previsão de atingir 98% contra 92,1% em 2021, quando ainda havia restrições por conta da pandemia.

Quem não está hospedado em Copacabana nem em um transatlântico e quer ir ao bairro para assistir ao show deve ficar atento à venda antecipada dos bilhetes com hora marcada do metrô. A comercialização está sendo feita na estação do Largo da Carioca. Em um balanço divulgado na manhã de ontem, o Metrô Rio informou que, dos 158 mil tíquetes, mais de cem mil já haviam sido vendidos.

O prefeito Eduardo Paes fez um alerta para que o público use transporte público, já que é quase impossível encontrar vagas nas ruas de Copacabana — três mil foram suprimidas. A CET-Rio informou que nem moradores do bairro poderão deixar seus veículos nas ruas.

Os bloqueios e os fechamentos de vias serão gradativos ao longo do dia de hoje. Das 22h às 5h, será tolerância zero com a circulação de veículos. Nem ônibus e táxis vão poder entrar na área restrita.

*Estagiária sob a supervisão de Leila Youssef