Réveillon de Copacabana: Paes pede cautela na volta para casa e diz que festa será 'tranquila'

O próximo réveillon do Rio de Janeiro, dois anos após as restrições por conta da pandemia da Covid-19, não apenas marcará o início de 2023, mas também o retorno dos shows ao vivo em palcos espalhados por pontos da cidade, além da tradicional queima de fogos. O prefeito do Rio, Eduardo Paes, em entrevista à Rádio Globo, nesta sexta-feira, reforçou que esta será a maior celebração de todas e pediu cautela na volta para casa. Segundo ele, há uma expectativa de reunir dois milhões de pessoas na orla de Copacabana.

— O ideal é as pessoas irem de metrô e só embarcarem com o bilhete específico. Não adianta forçar a barra. Tem que respeitar para fazer uma festa que não seja caótica. A gente sempre encontra dificuldade na saída. Por isso, dê tempo e espere um pouco para sair e curta a festa — afirmou Paes.

Segundo o Metrô Rio, 62,8% dos 158 mil cartões especiais já foram vendidos. Paes pontua que, para este réveillon, um esquema excepcional foi montado para garantir a festa dos cariocas e visitantes.

— A gente vai ter uma estrutura de guarda municipal para evitar excesso de ambulante não licenciado. Vai ser uma noite tranquila. É óbvio que, num lugar que junta dois milhões de pessoas, há sempre o risco de confusão. Mas vai ter muita polícia — disse o prefeito.

Pela primeira vez, a Polícia Militar vai usar detectores de metal para fiscalizar visitantes. O uso de objetos de metal não será permitido no local do evento. O trânsito e a circulação no entorno da orla de Copacabana serão fechados a partir das 16h.

— Não tem réveillon igual ao carioca. O réveillon de Copa é o oficial. Eu não tenho dúvida de que vai ser uma super festa. Agora a gente quer que as pessoas venham a Copacabana. Acho que vai ser uma noite linda — pontuou Paes.

Além disso, uma homenagem ao Rei Pelé será projetada nos telões montados na praia. A previsão é de que um vídeo relembrando a vida do Rei seja exibido logo após o encerramento do show de Alexandre Pires e antes do vídeo de contagem regressiva para a queima de fogos.